Incêndio no Parque do Rola Moça em MG é o maior dos últimos 8 anos

O parque Estadual da Serra do Rola Moça, na Região Metropolitana de Belo Horizonte está sendo vítima do maior incêndio dos últimos oito anos.…

Imagem: reprodução / Rede Globo

O parque Estadual da Serra do Rola Moça, na Região Metropolitana de Belo Horizonte está sendo vítima do maior incêndio dos últimos oito anos.

O fogo começou a ser combatido na sexta-feira (23) e desde então a Secretaria Estadual do Meio Ambiente estima que 80% da área de vegetação foi queimada. Porém este prejuízo pode ser maior já que alguns focos isolados ainda estão sendo combatidos.

Hoje, segunda-feira (26) ainda há focos de incêndio em áreas isoladas, mas a situação já é considerada sob controle. Entre brigadistas, bombeiros e voluntários são 115 pessoas ao todo estão envolvidas no combate ao fogo, que também afetou o condomínio residencial Retiro das Pedras.

Prejuízos ambientais

Imagem: reprodução / Rede Globo

A recuperação do estrago, que ainda deve ser contabilizado quando o incêndio estiver definitivamente combatido, levará décadas para acontecer. De acordo com informações do portal G1, o biólogo e gerente do parque, Marcos Vinícius de Freitas, estima que serão necessários de 20 a 25 anos para recuperação, porém algumas perdas são inestimáveis. Este é o caso de algumas espécies de flora que sequer chegaram a ser identificadas cientificamente. Também há a fauna já que nem todos os animais conseguiram escapar.

O parque estadual da Serra do Rola-Moça tem cerca de 4.000 hectares e é considerado o terceiro maior parque em área urbana do Brasil e estende seus territórios a quatro municípios: Belo Horizonte, Brumadinho, Nova Lima e Ibirité. O local também abriga alguns dos principais mananciais responsáveis pelo abastecimento de Belo Horizonte. O fogo danificou a rede elétrica do sistema de abastecimento e no domingo (25), chegou a interromper o fornecimento de água para moradores de regiões próximas.

Leia Também:  Vídeo Game: Kurt Cobain em Ação no Guitar Hero 5

Sua vegetação predominante é a mata atlântica, mas também possui espécies típicas do cerrado por estar situada em zona de transição. Já sua fauna abriga animais ameaçados como a jaguatirica, onça-parda, lobo-guará, veado-campeiro e a ave macuco.

Top