Homeopatia: mitos e verdades

A homeopatia é uma especialidade que surgiu há mais de 200 anos e hoje tem se tornado bastante popular, se estendendo além do campo…

Por Editorial MDT em 06/02/2012

A grande vantagem dos remédios homeopáticos é que esses não causam intoxicação e não possuem efeitos colaterais.

A homeopatia é uma especialidade que surgiu há mais de 200 anos e hoje tem se tornado bastante popular, se estendendo além do campo da medicina e farmácia e alcançando áreas que são novidades para muita gente, como a veterinária e zootecnia.

Apesar de toda história de tradição e pesquisa, essa terapia ainda é bastante questionada por pessoas que duvidam de sua eficácia. Isso se deve principalmente ao fato de muita gente desconhecer os princípios que regem essa especialidade, o que acaba gerando diversos mitos sobre o assunto.

Conheça alguns mitos e verdades sobre a homeopatia:

  • A homeopatia pode ser usada sem medo, porque, se não fizer bem, mal também não fará

Essa afirmação é um mito. Só porque o medicamento homeopático é muito diluído e essa forma terapêutica é bastante natural, não significa que a formulação homeopática não possa fazer mal algum.

Assim como na terapia alopatia (uso de medicamentos tradicionais), é importante evitar a automedicação homeopática. A grande vantagem dos remédios homeopáticos é que esses não causam intoxicação e não possuem efeitos colaterais, diferentemente dos alopáticos. Porém, por ser uma terapia holística, que trata a pessoa como um todo (e por isso deve ser extremamente individualizada), é fundamental que haja a avaliação de um profissional qualificado, uma vez que, a administração do medicamente errado, não seria capaz de deter a progressão da doença, o que já é suficiente para que haja um malefício.

O remédio homeopático possui diversas informações de energia, utilizada para tentar corrigir o desequilíbrio que causou a doença.

  • A homeopatia funciona como placebo

Placebo é um medicamento que não possui propriedade curativa, e é ministrado apenas para fins sugestivos ou morais, ou seja, um remédio que não tem nenhum efeito em si, mas capaz de promover uma ação benéfica devido aos efeitos fisiológicos, da fé do paciente, de que está sendo tratado.

Isso não tem nada a ver com a homeopatia, onde a ação do medicamento é comprovada por estudos. Fato esse é comprovado pela quantidade, cada vez maior, de pacientes que procuram o tratamento homeopático e do pouquíssimo número de pessoas que substitui essa terapia pela alopática. Isso sem contar no tratamento de recém-nascidos, que não possuem a capacidade de compreensão dos adultos e ainda assim se beneficiam grandemente do uso de homeopatia, bem como acontece na área veterinária, onde estudos comprovam os mais diversos benefícios, dissociando completamente a homeopatia do efeito placebo.

  • A homeopatia primeiro piora os sintomas, para depois melhorar

Esta não é a intenção, mas é um fato que pode acontecer. O medicamento homeopático acaba provocando no indivíduo uma espécie de doença artificial, que é semelhante à doença que o indivíduo vem apresentado. Não é preciso ter medo algum, porque essa terapia é extremamente segura.

O remédio homeopático possui diversas informações de energia, que o corpo humano utiliza para tentar corrigir o desequilíbrio que causou a doença. Se a energia for muito forte ou se a doença baixou consideravelmente a energia do corpo, a força do medicamente pode ser tão grande que acaba piorando os sintomas.

Se isso acontecer, não é um sinal tão ruim assim, porque significa que o medicamento indicado é o correto, mas em potencia um pouco forte.

  • Quem usa homeopatia, não pode ser vacinado

Não existe nenhuma recomendação homeopática quanto a restrição de sua prática em indivíduos previamente vacinados, porém existe uma corrente de homeopatas que são contra a prática de vacinação, mas hoje em dia, são a minoria.

  • Não é possível usar homeopatia e alopatia ao mesmo tempo

Apesar da homeopatia e alopatia agirem por caminhos diferentes, não há qualquer problema na utilização conjunta desses dois tipos de terapia, desde que o homeopata tenha conhecimento do medicamento alopático prescrito.

Existem algumas situações onde o medicamento alopático é fundamental, e a homeopatia vem apenas para auxiliar na terapia e proporcionar equilíbrio para o paciente, como no caso de pacientes com câncer, AIDS e diabetes, por exemplo.

É importante ressaltar que o homeopata, antes de tudo, é um profissional formado em faculdades tradicionais de medicina, farmácia, veterinária, zootecnia entre outros cursos, isso significa que ele também é conhecedor da alopatia o que garante mais segurança na hora de consultar com esses profissionais da saúde.

A homeopatia é uma especialidade que surgiu há mais de 200 anos e hoje tem se tornado bastante popular.

A homeopatia é uma prática reconhecidamente eficiente e quem ainda não experimentou, deveria conhecer os diversos benefícios que essa terapia tem para oferecer, inclusive para o bolso.

Top