Guido Mantega afirma que o dólar a R$ 1,40 destruiria a economia brasileira

Em uma semana em que o dólar fechou com um acúmulo de 2,07% de alta, na sexta-feira (04) com o valor de R$1,926, o…

Segundo Ministro da Fazenda Guido Mantega, caso a moeda brasileira se equiparasse à norte-americana, a economia do país seria "destruída"

Em uma semana em que o dólar fechou com um acúmulo de 2,07% de alta, na sexta-feira (04) com o valor de R$1,926, o ministro Guido Mantega declarou que caso a moeda americana atingisse o valor de R$ 1,30 ou R$ 1,40 a economia interna do país seria destruída.

A avaliação foi dada pelo Ministro da Fazenda no congresso “Brasil 2020 – Os Rumos da Economia” que ocorreu neste dia 04 de maio de 2012, onde teceu comentários sobre a atual situação da economia brasileira, demonstrando pontos importantes para o crescimento do país, que hoje é apontado como a 5ª maior economia mundial.

Discutindo economia e crescimento

A ordem econômica brasileira interfere diretamente na vida dos cidadãos

Neste congresso de economia, que ocorreu esta semana, o Ministro da Fazenda Guido Mantega se dispôs a falar sobre a economia local, declarando que a atual situação do câmbio com relação a cotação do dólar se deve a certa “Manipulação cambial” e que sem isto a moeda brasileira estaria quase se equiparando à americana.

Para o ministro, a estrutura econômica do país não suportaria esta equiparação, uma vez que para o crescimento ser concreto, aumentando o ritmo da economia, seria necessário o aumento de crédito e a diminuição dos juros, os chamados spreads bancários, e neste ponto o governo tem enfrentado grande resistência dos bancos.

Mantega fez questão de ressaltar que apesar do crescimento abaixo do esperado, a economia brasileira é uma das que mais gera emprego em todo o mundo, e isto é fácil de comprovar diante dos índices de desemprego europeus e norte-americanos, porém o crédito não está acompanhando os índices de emprego, o que seria um problema econômico sério para o país.

Economia que afeta a todos os brasileiros

Um dos maiores problemas está na falta de crédito e nos altos spreads bancários

Em seu discurso o ministro fez questão de ressaltar pontos importantes que tem refletido no dia-a-dia de milhões de brasileiros, como a crise mundial enfrentada que afeta principalmente a indústria, uma vez que no país é possível notar uma queda significativa no número de indústrias, mesmo que não se possa falar de “desindustrialização” brasileira. Alguns dos principais afetados pela crise seriam o setor dos manufaturados e a exportação de produtos nacionais.

Além destes fatores, para Mantega, algumas alterações nos critérios da poupança seriam essenciais para facilitar a redução do custo financeiro. Sendo que o objetivo do governo é que as taxas continuem caindo para a economia crescer de maneira sólida e bem estruturada.

Outra medida anunciada por ele foi a respeito dos bancos públicos, onde informou que estes continuarão liberando cada vez mais crédito e com juros cada vez menores como uma tentativa de diminuir ainda mais o spread bancário, uma vez que a concorrência força uma tendência econômica.

Com estas medidas anunciadas, o governo pretende solidificar a economia ainda mais até que chegue o dia em que o Brasil possa voltar a ter sua moeda equiparada ao dólar.

Top