Grávidas fumantes têm 65% mais chances de terem filhos com asma

Grávidas fumantes têm 65% mais chances de terem filhos com asma

O cigarro durante a gravidez traz diversos males para a saúde da mãe e do filho. As mulheres que permanecem com o hábito de…

Por Isabella Moretti em 21/08/2012

O cigarro durante a gravidez traz diversos males para a saúde da mãe e do filho. As mulheres que permanecem com o hábito de fumar na gestação afetam o organismo do bebê que está em desenvolvimento. Ou seja, menos sangue é enviado para a placenta e, consequentemente, o feto recebe oxigênio e nutrientes em menores quantidades.

Mães que fumam aumentam as chances do filho nascer com asma. (Foto:Divulgação)

Os efeitos nocivos do cigarro na gravidez são inúmeros e por isso o tema é abordado em diversas pesquisas científicas. Sabe-se que fumar aumenta em 40% as chances de problemas no desenvolvimento do bebê. O contato com as substâncias tóxicas do cigarro pode fazer com que a criança nasça prematura, com baixo peso, portando doenças cardíacas e defeitos congênitos. Em casos mais graves, fumar no pré-natal causa complicações que levam ao aborto.

Veja também: Obesidade e tabagismo aumentam chances de bebês nascerem com problemas cardíacos

Um estudo realizado recentemente também mostrou que grávidas fumantes têm 65% mais chances de terem filhos com asma.

Cigarro na gravidez pode gerar crianças com asma

O Instituto Karolinska, na Suécia, desenvolveu uma pesquisa que comprovou a alta probabilidade de mães fumantes darem à luz a bebês com problemas respiratórios. As gestantes que se rendem ao vício do cigarro possuem 65% mais chances de terem filhos asmáticos e 39% com sibilância (chiado). Os resultados do estudo foram publicados no jornal Daily Mail.

Para chegar à conclusão de que o cigarro causa asma em bebês, os cientistas avaliaram 21,6 mil crianças europeias. Constatou-se, então, que os participantes expostos ao tabagismo materno no fim da gestação e após o nascimento desenvolveram mais asma em comparação com aqueles cujas mães tinham ficado bem longe do cigarro durante os nove meses de gravidez e o período de amamentação.

Para especialistas, mulheres devem parar de fumar antes mesmo de engravidar. (Foto:Divulgação)

O cigarro é um perigo antes e depois do nascimento

Após o nascimento, o cigarro continua simbolizando um perigo para a sua saúde para a saúde do bebê. Quando a mãe fuma diariamente, ela envia as substâncias tóxicas para o seu leite, por isso o recém-nascido entra em contato com a nicotina. O fumo passivo também representa um perigo para o sistema respiratório imaturo do bebê, podendo assim intensificar um quadro de asma.

Saiba mais: Fumar diminui produção e qualidade do leite materno

Segundo a pesquisadora Asa Neuman, o tabagismo danifica o sistema respiratório fetal desde o início da gravidez. Ela afirmou ainda que, se o hábito de fumar for mantido durante a gestação, a estrutura do DNA da criança é alterada e causa o enfraquecimento do sistema imunológico.

Asma em crianças

Crianças com asma sofrem com intensa falta de ar. (Foto:Divulgação)

A asma é um problema que afeta as vias aéreas dos pulmões, interferindo no bem-estar e na qualidade de vida da criança. Entre os principais sintomas da doença, vale ressaltar a tosse constante e a extrema dificuldade para respirar.

Top