Financiamento estudantil: cuidados ao escolher

Nem todas as pessoas possuem condições de arcar com as mensalidades da graduação, por isso elas acabam recorrendo ao financiamento estudantil. Esta modalidade, a…

Nem todas as pessoas possuem condições de arcar com as mensalidades da graduação, por isso elas acabam recorrendo ao financiamento estudantil. Esta modalidade, a princípio, era oferecida apenas pelo Governo Federal, mas agora os bancos também disponibilizam esta linha de crédito para os clientes.

O financiamento estudantil ajuda o estudante que não tem condições de pagar as mensalidades do curso. (Foto:Divulgação)

O Fies e os financiamentos estudantis privados

Os estudantes deixaram de recorrer ao FIES devido ao número de vagas limitadas e ao processo burocrático para conseguir a liberação do crédito. A maioria dos candidatos acabava eliminada por causa dos critérios rigorosos adotados pelo Governo.

A criação do financiamento estudantil privado reconheceu esta carência do FIES, que deixava muitas pessoas sem chance de conquistar o diploma de ensino superior. Os bancos que passaram a atuar neste mercado não adotam as mesmas condições do FIES e nem as mesmas vantagens, mas estão despertando o interesse de muitos estudantes que não estão dando conta das mensalidades.

Enquanto o FIES tem juros de 3,4% ao ano, os demais programas de financiamento estudantil funcionam com uma taxa de juros de 6% e 7% ao ano. Em ambos os casos, o estudante deverá contar com um fiador e terá o dobro da duração do curso para fazer o pagamento da dívida.

Saiba mais: Financiamento Estudantil Itaú

Cuidados ao escolher o financiamento estudantil

O financiamento mais vantajoso é aquele com as menores tarifas de juros ao ano. (Foto:Divulgação)

O financiamento estudantil só é válido se o estudante tiver certeza de que será um profissional capaz e com perspectiva de melhoria de salário. Ao escolher o financiamento, ele primeiro deve disputar uma vaga do FIES, pois as taxas de juros são as menores do mercado. Se não for possível participar do programa do governo, então é necessário pesquisar o banco com as melhores condições.

Leia Também:  As faculdades que mais aprovam na OAB

Para encontrar o melhor financiamento estudantil privado, o universitário deve analisar o custo, comparando desta forma as taxas de juros com o rendimento da poupança.

Depois de escolher o programa mais adequado para financiar o curso, o estudante deve pagar as parcelas em dia, para que a dívida não cresça através da cobrança de juros sobre juros.

Na hora de pagar a dívida do financiamento, é importante não deixar prestações atrasadas. (Foto:Divulgação)

De acordo com os economistas, o estudante deve conversar com sua família antes de solicitar o crédito estudantil. A opção só é realmente válida se o orçamento familiar não comportar a mensalidade. O universitário também precisa estar ciente de todos os aspectos da dívida em que está entrando, já que a cobrança das mensalidades começa seis meses após a conclusão do curso.

Quando o estudante não consegue emprego ou não tem renda para pagar a dívida que fez com o FIES ou outro financiamento privado, o seu nome entra para a lista de inadimplentes.

Veja também: Opções de financiamento estudantil

Top