Febre em crianças: mitos e verdades

A febre é um dos sintomas que mais assustam as mães, pois é cercada de crendices que, além de não colaborarem para a resolução…

A febre é um dos sintomas que mais assustam as mães, pois é cercada de crendices que, além de não colaborarem para a resolução do problema, ainda podem piorar a situação, levantando a diversas dúvidas sobre o assunto. Todo mundo conhece alguma receita caseira para combater a alta temperatura corporal, mas nem todas são cientificamente comprovadas. Fique por dentro do assunto e confira alguns mitos e verdades sobre febre em crianças.

Confira alguns mitos e verdades sobre a febre em crianças. (Foto: divulgação)

Mitos e verdades sobre a febre em crianças

  • Para identificar a febre é só checar a temperatura da testa e barriga da criança

Mito. Independente da parte do corpo que esteja mais quente, não é seguro utilizar esses parâmetros para determinar se a criança está com febre ou não. É necessário utilizar um dos tipos de termômetro para avaliar a temperatura, que não deve ser maior do que 37,8˚. Se a criança se encontrar entre 37,4˚ e 37,7˚ ela está num estado subfebril e não precisa ser medicada, mas ainda assim necessita de avaliação médica.

  • A atividade da criança é um parâmetro importante na avaliação da febre

Verdade. Durante as crises de febre é normal que a criança fique mais quietinha, sem interesse em suas atividades cotidianas. Entretanto, se a febre diminuir e a criança continuar apática, sem sorrir, brincar e indisposta para tudo, é necessário procurar atendimento médico o mais rápido possível, pois esse é um importante indicador de gravidade do quadro.

  • Misturar álcool na água da banheira ajuda baixar a febre mais rápido

Mito. Colocar álcool na água da banheira é uma medida contraindicada porque, além de não colaborar em nada para baixar a febre, ainda é capaz de provocar intoxicação ou lesões de pele.

O grau de atividade da criança é um parâmetro que deve ser observado. (Foto: divulgação)

  • Qualquer criança com febre pode ter convulsões
Leia Também:  Dores crônicas: como conviver

Mito. A convulsão febril é um evento, geralmente benigno, que está intimamente relacionado com predisposição genética e presença de febre. O primeiro episódio sempre ocorre na vigência de um quadro infeccioso. Crianças que sofrem com o problema devem procurar ajuda médica, para que possam receber orientações e fazer uso de medicação que previna a convulsão.

  • Banho gelado baixa a febre

Mito. O banho gelado não é a medida mais recomendada para tratar a febre, pois funciona diminuindo apenas a temperatura da pele. O resultado é que os termorreceptores do organismo acabam interpretando que a febre programada não foi atingida, de modo que enviam sinais ao sistema nervoso central para que aumente a temperatura do corpo. Em algumas situações é possível apresentar um efeito contrário ao esperado, com uma febre maior do que a inicial. O ideal é sempre dar um banho morno.

  • Compressas mornas no pescoço e virilha diminuem a febre

Verdade. Realizar compressas nessas regiões é uma maneira eficiente de baixar a febre rapidamente. É importante ressaltar que essas medidas não servem para tratar a febre, e por isso a avaliação de um profissional continua sendo indispensável.

A criança com febre precisa de avaliação médica. (Foto: divulgação)

A febre não é uma doença e sim um sintoma importante que indica uma condição que deve ser identificada e tratada. Esse assunto é cercado de mitos e verdades, que confundem e tiram o sossego de muitos pais com informações que, além de não ajudarem, podem acabar atrapalhando. Por isso vale a pena desmistificar a febre em crianças.

Top