Exame de sangue que detecta síndrome de Down em feto

O exame de sangue que detecta síndrome de Down em fetos começou a ser oferecido no Brasil. O procedimento serve para que a mulher…

Por Isabella Moretti em 28/01/2013

O exame de sangue que detecta síndrome de Down em fetos começou a ser oferecido no Brasil. O procedimento serve para que a mulher grávida descubra ainda na gestação se o seu filho apresenta alguma anomalia nos cromossomos.

O exame de sangue detecta se o feto tem síndrome de down. (Foto:Divulgação)

Antes do exame de sangue chegar ao Brasil, os casais já podiam saber se os seus bebês eram portadores da Síndrome de Down ou não, graças ao exame de ultrassom ou a coleta de líquido amniótico. No entanto, o segundo procedimento mencionado só pode ser feito no quarto mês de gestação.

Saiba mais: Exames necessários na gravidez

Como funciona o exame de sangue que detecta síndrome de Down?

O exame de sangue para detectar síndrome de Down pode ser realizado a partir da nona semana de gestação, através de uma coleta comum em um consultório. Depois, o sangue será enviado aos Estados Unidos para análises. Os especialistas vão procurar o material genético do feto que fica circulando no sangue da mãe.

Além de diagnosticar a deficiência no cromossomo 21, o teste também é capaz de identificar outras anomalias genéticas, como as síndromes de Klinefelter, Edwards, Turner, Patau e triplo X. A versão mais completa do exame de sangue tem o preço de R$ 3.500 no IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia), em São Paulo. O resultado do hemograma fica pronto em 15 dias.

O procedimento não oferece risco de aborto, como a coleta do líquido amniótico. (Foto:Divulgação)

Diferente da coleta do líquido amniótico, na qual uma agulha é enfiada na barriga da mãe para obter o material, o exame de sangue tem a vantagem de não ser tão invasivo e nem oferecer risco de aborto ao feto que está em formação.

O hemograma capaz de detectar síndromes é capaz de oferecer um diagnóstico precoce do bebê. Assim, os pais possuem mais tempo para se preparar para o nascimento e até mesmo mudar os planos, diante do fato da criança ser portadora de um problema genético. Ao diagnosticar uma doença precocemente, o exame também facilita um eventual tratamento.

Apesar de ser um procedimento moderno e eficaz, nem todas as mulheres podem realizar o exame de sangue capaz de diagnosticar síndromes. O teste não é indicado para a mulher que está grávida de gêmeos ou mais, que já fez transplante de medula óssea, que é obesa ou utilizou o óvulo de uma doadora.

Sobre a Síndrome de Down

A Síndrome de Down se desenvolve quando há uma deficiência no cromossomo 21. (Foto:Divulgação)

A Síndrome de Down é causada por uma cópia extra do cromossomo 21. A criança diagnosticada com o problema pode sofrer com deficiência intelectual, defeitos cardíacos, perda de audição ou visão. A doença genética também é caracterizada por sinais físicos comuns, como as orelhas pequenas, o nariz achatado, uma única dobra na mão e excesso de pele na nuca.

Veja também: Cartilha para cuidar de portadores de Down

Top