Entenda o que é compulsão canina

Alguns cachorros correm atrás do rabo, outros, lambem o pelo, latem excessivamente, caminham de um lado para o outro ou andam em círculo. Esses…

Por Editorial MDT em 25/12/2011

Comportamentos estranhos e repetitivos são sinais de compulsão canina (Foto: Divulgação)

Alguns cachorros correm atrás do rabo, outros, lambem o pelo, latem excessivamente, caminham de um lado para o outro ou andam em círculo. Esses são comportamentos estranhos em cães e, se o seu amiguinho apresenta um deles com frequência, ele pode estar sofrendo da compulsão canina, que é a repetição constante e sem finalidade de um comportamento.

Muitas vezes, o cão apresenta esse tipo de comportamento por causa do estresse, da ansiedade ou da frustração causados pelo ambiente ou pelas pessoas com quem ele convive. Por exemplo, se ele nunca ficou sozinho em casa e, de repente, todos vão viajar, deixando-o dias sem companhia, ele pode ficar estressado e começar a apresentar um dos comportamentos acima citados devido ao estresse, ansiedade e frustração causados por esses momentos.

Portanto, esses comportamentos servem como válvula de escape para o seu amigo canino e, se não forem tratados rapidamente, podem se transformar em uma convulsão e até se agravarem.

Você só perceberá que o seu cachorro sofre desse distúrbio observando-o atentamente. Para tanto, é preciso ter olhos clínicos. Por exemplo, é comum os cachorros lamberem um local que foi machucado. No entanto, quando ele começa a lambê-lo mesmo após a cicatrização do corte, essa pode ser uma pista de que ele tenha a compulsão canina.

Normalmente, os cães lambem os locais lesados, mas se eles já estiverem cicatrizados, o seu cão pode sofrer de compulsão canina. (Foto: Divulgação)

Se o seu cão apresenta algum desses sinais, leve-o a um veterinário para saber se ele realmente sofre desse distúrbio. Caso a resposta seja positiva, o tratamento inclui uma medicação que corrigirá o desequilíbrio químico dos neurotransmissores, a modificação do seu comportamento, transmitindo-o para outro menos lesivo, uso de brinquedos para distraí-lo, exercícios físicos, passeios, terapias e dietas suplementares.

Para prevenir a compulsão canina, acostume o seu cachorro a situações estressantes como a solidão, o barulho, a presença de outros animais e de pessoas estranhas. Assim, ele não estranhará nenhuma situação e não ficará nervoso quando elas acontecerem de verdade.

O seu melhor amigo deve ser tratado com muito amor, carinho e dedicação. Por isso, fique atento aos seus sinais, pois ele pode estar te pedindo socorro, mas em silêncio. Então, observe bem o seu amiguinho todos os dias e note se não há comportamentos estranhos rotineiros. Assim, você poderá evitar que ele sofra da compulsão canina, que causará danos emocionais e físicos nele.

Top