Em duas décadas, a mortalidade infantil no Brasil caiu 73%

Em duas décadas, a mortalidade infantil no Brasil caiu 73%

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a mortalidade infantil no Brasil sofreu queda de 73% nas duas últimas…

Por Isabella Moretti em 17/09/2012

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a mortalidade infantil no Brasil sofreu queda de 73% nas duas últimas décadas. Isto significa que as crianças com menos de cinco anos estão morrendo menos e desfrutando de melhor qualidade de vida. Os resultados completos do levantamento foram publicados no Relatório de Progresso 2012.

A mortalidade de crianças com menos de 5 anos no Brasil sofreu queda de 73%. (Foto:Divulgação)

Os dados registrados colocam o Brasil na 3ª posição do ranking de avanço, atrás apenas da Turquia, do Peru e de El Salvador. Estes países se classificaram bem porque obtiveram conquistas principalmente na prevenção de doenças infantis.

Saiba mais: Mortalidade infantil tem queda recorde de 47,6% nos últimos anos

Menos crianças morrem no Brasil desde 1990

O levantamento mostrou que a taxa brasileira de mortalidade caiu de 58 para 16 por mil nascidos vivos entre 1990 e 2011. Embora o estudo tenha registrado uma redução drástica nos índices, cerca de 40 mil crianças morreram durante a primeira infância no Brasil em 2011. Este mesmo dado, há vinte anos, era de 205 mil.

O relatório procurou justificar porque o Brasil sofreu melhorias com relação à mortalidade infantil. Segundo o documento, foram criados nos últimos anos programas comunitários e estratégias de saúde para oferecer cuidados especiais às crianças nos primeiros anos de vida. As iniciativas ajudaram a expandir o acesso ao atendimento médico e também serviram para diminuir as taxas de desigualdade.

As melhorias no atendimento médico e na vacinação são fatores que contribuíram com o novo índice. (Foto:Divulgação)

Outros fatores também foram responsáveis por provocar a queda na taxa de mortalidade infantil, como por exemplo, a qualidade do serviço de saneamento básico, o aleitamento materno, a vacinação, o nível educacional da mãe e o aumento da renda familiar.

A mortalidade infantil no resto do mundo

Nos índices globais, também houve uma queda na mortalidade infantil, mas menos acentuada do que no Brasil. Se em 2011, 6,9 milhões de crianças morreram antes de completar cinco anos, em 1990 o número de óbitos foi de 12 milhões.

A situação mais crítica com relação às mortes de crianças com menos de cinco anos está nos países pobres. Em países como República Democrática do Congo, Chade, Somália, Mali, Camarões e Burkina Faso, os índices de moralidade só aumentaram desde 1990. Entretanto, algumas nações que vivem a mercê da pobreza conseguiram reduzir as taxas de moralidade infantil graças à ajuda extrema que recebem de outras nações, como é o caso do Timor Leste, Libéria e República Democrática Popular do Laos.

A mortalidade infantil é mais grave nos países pobres. (Foto:Divulgação)

Em geral, o ranking elaborado pela Unicef se revela bastante otimista, mas novas medidas precisam ser tomadas para combater a mortalidade infantil nos próximos anos, afinal, em 2011, 19 mil crianças morreram por dia no mundo.

Veja também: 194 países atendem plano para aprimorar vacinação no mundo

Top