Dono do Megaupload é solto

Depois de passar um mês sob custódia, o criador do site “Megaupload.com” foi solto nessa quarta-feira, 22 de fevereiro. Uma audiência de extradição estava…

Por Élida Santos em 22/02/2012

O site foi tirado do ar em janeiro (Foto: Divulgação)

Depois de passar um mês sob custódia, o criador do site “Megaupload.com” foi solto nessa quarta-feira, 22 de fevereiro. Uma audiência de extradição estava sendo preparada quando Kim Dotcom foi libertado. O jovem, que também é conhecido como Kim Schmitz e Kim Tim Jim Vestor, foi preso no dia 20 de janeiro a pedido do governo dos Estados Unidos, que acusou a empresa de sonegação de direitos autorais.

De acordo com os norte-americanos, Dotcom era líder do grupo que chegou a lucrar 175 milhões de dólares desde 2005, copiando e distribuindo sem autorização, músicas, seriados, filmes, clipes e outros conteúdos protegidos por direitos autorais. Os advogados do proprietário do “Megaupload.com” alegam que a empresa só fornecia armazenamento online e que o alemão não faz parte do esquema de pirataria.

Além de Kim, outros executivos foram presos (Foto: Divulgação)

No começo de fevereiro, a corte da Nova Zelândia (país em que o rapaz possui moradia fixa) negou um recurso para que Kim Dotcom fosse libertado sob o pagamento de fiança, pois achava que ele poderia fugir antes que a audiência de extradição acontecesse. Porém, nessa quarta-feira, o juiz Nevin Dawson determinou um valor de fiança sobre condições rigorosas.

Relembre o caso

Kim deixa a prisão nessa quarta-feira , 22 de fevereiro (Foto: Divulgação)

Além do dono do site, outros executivos da companhia foram presos a mando do governo norte-americano. O Megaupload é único entre os sites do segmento por possibilitar um grande volume de download e também pelo apoio que recebia de celebridades, que teoricamente seriam vítimas do não pagamento de impostos. Entre os que de certa forma auxiliavam o portal estava Kim Kardashian e os músicos Alicia Keys e Kanye West. Alguns até gravaram vídeos de apoio a organização, porém, as gravadoras tiraram do ar.

Google, Facebook, Amazon e Twitter, entre outros portais importantes e reconhecidos em todo o mundo, questionam essa lei de proteção que tem como base o combate a pirataria. Para esses sites a Stop Online Piracy Act (Sopa) na verdade vai contra a liberdade de expressão. Em protesto, grupo de hackers invadiram sites do governo norte-americano e fizeram diversas ameaças por meio das redes sociais.

Top