Dólar sobe 0,78% esta sexta e totaliza 2,07% de alta em uma semana

A variação cambial é um assunto que tem interessado muita gente atualmente, principalmente pelo fato de que o valor do dólar, que ainda é…

O dólar fechou em alta esta sexta, enquanto o Ibovespa fechou em queda de 2,06%

A variação cambial é um assunto que tem interessado muita gente atualmente, principalmente pelo fato de que o valor do dólar, que ainda é a moeda mais expressiva e forte do mundo, pode influenciar diretamente na vida dos brasileiros.

Essa mudança de valor influi nos preços dos produtos, em especial importados. Além disso, a balança comercial é medida pelo valor da moeda norte americana e também reflete na economia como um indicador da crise financeira mundial. Por este motivo o pregão desta sexta-feira terminou com alta de 2,07 pontos percentuais do dólar para a semana.

Alta do dólar demonstra o humor do mercado

Mau-humor do mercado externo faz com que todas as bolsas fechem em baixa

O mau-humor do mercado externo pode ser sentido nesta sexta-feira (04) quando após o pregão o dólar comercial fechou em alta de 0,78% enquanto o Ibovespa fechou em queda de 2,06 pontos percentuais. O valor desta alta colocou a moeda americana à R$ 1,926 para a venda, sendo esta a maior cotação desde julho de 2009, quando o valor do dólar chegou a R$ 1,928. A alta já acumula 3,05% para o ano de 2012.

O aumento da tensão na zona do Euro e o desconforto de investidores com relação à possível quebra de alguns países que adotaram a moeda foi um dos principais motivos que ocasionaram a alta do dólar, mostrando a insatisfação do investidor com o cenário internacional.

Poucos postos de trabalho derrubam o mercado internacional

Dólar fecha esta sexta-feira cotado à R$ 1,926

Outro fator foi o aumento de 115 mil postos de trabalho, a taxa de desemprego sofreu uma queda de 8,1% no último mês, abaixo do esperado, o que causou queda em todas as bolsas ao redor do mundo, gerando dúvida sobre a possível recuperação econômica mundial, uma vez que isso interfere na criação de empregos e comportamento do mercado externo.

Um dos principais temores é que o baixo índice de contratação restrinja o consumidor, que toma 70% da fatia econômica do país e isso venha a influenciar negativamente a demanda por petróleo.

Enquanto isso o Petróleo Intermediário do Texas (WTI) para entrega no mês de julho fechou esta sexta-feira em baixa de -3,94%, cotando o barril à US$ 98,49, o que o coloca abaixo da barreira simbólica de US$ 100,00 pela primeira vez desde o mês de fevereiro, sendo que a queda do valor de contratos futuros na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) caíram U$ 4,05 em comparação com o fechamento do dia anterior.

Esta queda no valor do petróleo também influenciou o recuo da atividade do setor de serviços da zona do Euro, aumentando a desconfiança gerada pelas eleições ocorridas na França e na Grécia.

Diante deste cenário econômico mundial, só resta esperar o desenrolar do mês de março para saber se a esperança para o fim da crise se tornará maior ou menor e o que esperar da inflação nos próximos meses.

Top