Doação de pele: saiba mais

Os acidentes com queimaduras corporais podem ser muito graves e, dependendo do estado clínico do paciente, é necessário que seja realizado um acompanhamento médico…

Os acidentes com queimaduras corporais podem ser muito graves e, dependendo do estado clínico do paciente, é necessário que seja realizado um acompanhamento médico rigoroso para prevenção de problemas como infecção secundária, já que a pele é a principal barreira física contra microrganismos e, sem ela, o paciente fica muito susceptível à infecções, com risco de morte. Saiba mais sobre a doação de pele, uma medida ainda não muito popular no Brasil e que pode ajudar muitas pessoas.

Saiba como fazer agendamento para doação de sangue.

A doação de órgãos, como a pele, é um ato de amor que salva vidas. (Foto: divulgação)

Doação de pele em foco

O acontecimento de tragédias, como a que ocorreu em Santa Maria, onde diversos jovens foram vítimas de um incêndio em uma casa de shows, chamou a atenção de muitas pessoas não apenas para o sofrimento das vítimas e suas famílias, como também mobilizou o país na tentativa de ajudar com o que fosse possível.

Entre as inúmeras notícias sobre o assunto, uma ganhou destaque e deixou muita gente curiosa: vários bancos de pele enviaram enxertos para os hospitais de Rio Grande do Sul – Para o espanto de quem não fazia ideia de que a pele poderia ser doada e muito menos de que existem estoques só desse material.

Infelizmente um dos maiores problemas que esse tipo de serviço enfrenta é a pouca popularidade das doações e dos bancos de pele, que ainda não conhecidos pela grande maioria da população. O resultado desse “anonimato” é o pequeno número de doações de tecido que,  consequentemente, acaba ajudando muito menos pessoas necessitadas do que poderia.

Bancos de pele no Brasil

O primeiro banco de pele brasileiro foi fundado pela Marinha dos Estados Unidos, em 1949. Devido à limitação de recursos da época, a conservação consistia apenas no congelamento do tecido, que conseguia se manter viável por até 30 dias. Com a evolução das práticas médicas o glicerol começou a ser usado e, atualmente, um pedaço de pele doada é capaz de ser utilizado com segurança por até 2 anos.

A pele é a principal barreira física contra agentes infecciosos. (Foto: divulgação)

Quem pode doar

Apesar do maior número de doações ser oriunda de pessoas que sofreram morte cerebral ou parada cardiorrespiratória, um detalhe bastante interessante é que pessoas saudáveis também podem doar. A camada de pele retirada é de apenas 1,5 milímetros de espessura e as regiões doadoras mais comuns são a barriga, costas e coxas.

Leia Também:  Receita de sopa cremosa de legumes

Necessidade de doações

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal é que para cada cidade com mais de 500 mil habitantes haja um banco de pele. Infelizmente não é o que acontece e o Brasil possui apenas três bancos, localizados em São Paulo, Porto Alegre e em Recife.

Uma vítima de queimadura grave necessita, em média, de três doares diferentes. Para suprir a demanda da região Sul do país, depois do desastre em Santa Maria, o banco de Recife enviou 2,5 mil cm² de pele para o banco de Porto Alegre, zerando seu estoque. O Brasil contou, então, com a doação de países vizinhos.

Entenda como as doações de órgão podem ser feitas ainda em vida.

Os bancos de pele braileiros precisam de doações. (Foto: divulgação)

A doação de pele é algo ainda desconhecido pela maior parte da população, mas que pode ajudar a salvar vidas. Os doadores podem ser pessoas saudáveis, a espessura do tecido retirado é ínfima e os bancos de pele do Brasil necessitam de doações. Adotar essa ideia é uma atitude de amor ao próximo.

Top