Distúrbio de déficit de atenção em crianças: como lidar

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, mais conhecido pela sigla TDAH, é a patologia psiquiátrica mais comum entre as crianças. Nas últimas…

Por Editorial MDT em 03/02/2012

A atenção é afetada na criança que possui o TDAH.

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, mais conhecido pela sigla TDAH, é a patologia psiquiátrica mais comum entre as crianças. Nas últimas décadas, várias teorias sobre como lidar com o transtorno ou até mesmo com os portadores dessa desordem, tem sido bastante debatida.

TDAH é um distúrbio que afeta quatro áreas da vida de seus portadores: falta de atenção, comportamento impulsivo e debilitante, hiperatividade e tédio severo, que devem ser observados em vários ambientes e não somente em casa e na escola. Os sintomas geralmente são bem perceptivos aos 7 anos de idade.

Geralmente essas crianças são inteligentes e criativas, porém, infelizmente acabam sendo consideradas fora de controle, como um estorvo para toda família. A atitude dos familiares pode acabar destruindo a autoestima da criança, que sente que existe algo errado, porém não consegue explicar. Quando não tratadas a tempo, os danos psicológicos podem ser tão grandes que essas crianças não se sentirão amadas ou valorizadas, procurando, muitas vezes, o isolamento. É importante ressaltar que esse problema tem uma base neurológica e não é resultado de desobediência ou pais que não souberam educar.

Tipos de tratamento

Existem vários tratamentos e cada indivíduo responde à terapia de forma diferente, ficando à cargo dos pais ou do próprio paciente avaliar qual intervenção seria mais apropriada para seu caso. É importante levar em conta a personalidade, hábitos alimentares e necessidades do portador de TDAH, além de se considerar também a possibilidade de gastos dos pais.

É necessário os pais conversarem com o médico a respeito da possibilidade de uso de medicação. Existem vários remédios disponíveis no mercado, que, de maneira geral, são uma forma de estimulantes, possuindo efeitos colaterais positivos e negativos.

Outra forma de intervenção inclui um treinamento comportamental, onde é realizado um sistema de administração de comportamento que recompensa condutas positivas do portador de TDAH.

Algumas formas de tratamentos adicionais que podem ser necessários são aconselhamento/terapia em família, aulas de treinamento para aprendizado de autocontrole, respeito por outras pessoas e até uma mudança do hábito alimentar de toda família. É importante ressaltar que a criança com TDAH deve ter sua conduta trabalhada tanto em casa, como na escola ou em qualquer outro ambiente.

A terapia em família ajuda no tratamento da criança.

 É possível se curar do TDAH?

Essa desordem não tem cura, mas pode ser controlada. Estudos apontam que, até os 20 anos de idade, 60% dos portadores de TDAH vão superar os sintomas e o sentimento de hiperatividade acaba se tornando apenas numa inquietação.

A vantagem de realizar sessões de psicoterapia é que assim a criança aprende a desenvolver várias técnicas de autocontrole, que podem ser colocadas em prática, suprimindo o comportamento impulsivo.

Algumas dicas simples, tanto para crianças quanto para adultos que pretendem aprender a lidar com esse problema são:

  • Usar cores diferentes no caderno ou agenda, para ajudar a manter o foco;
  • Encontrar amigos de confiança, que possam ajudar em momentos de muita agitação e ansiedade;
  • Aproveitar os momentos de grande energia para realizar tarefas e deixar tudo em ordem;
  • Fazer listas e cartões com dicas, quando existir muitas tarefas a serem realizadas;
  • Ter alguns momentos de relaxamento.

A criança com TDAH precisa de muita paciência e carinho, para conseguir controlar o problema.

O TDAH é uma desordem que não impede que seus portadores tenham chance de alcançar um futuro brilhante. É fundamental encarar todos os problemas e dificuldades além da ajuda dos pais e de profissionais fazer toda diferença.

Top