Dieta ortomolecular – Dicas

Emagrecer é um desafio para muitas mulheres, com saúde, então, é um objetivo a ser alcançado. A dieta ortomolecular oferece não apenas perda de…

Emagrecer é um desafio para muitas mulheres, com saúde, então, é um objetivo a ser alcançado. A dieta ortomolecular oferece não apenas perda de peso, mas nutrição baseada em uma dieta composta apenas por alimentos orgânicos.

A dieta ortomolecular tem como objetivo reeducar o organismo com substâncias equilibrantes, isso a partir do uso de alimentos orgânicos e suplementos nutricionais como vitaminas, minerais, aminoácidos e ácidos graxos essenciais. Esta dieta consiste em determinar, principalmente, desesquilibrios nutricionais através de uma analise dos hábitos de vida do paciente.

Uma dieta com grandes benefícios

Para os adeptos da dieta ortomolecular alguns benefícios causados por ela são determinantes para a fidelidade a este plano alimentar personalizado.

Essa dieta é conhecida por causar, além da perda de peso, alivio para problemas intestinais, síndrome do intestino irritável, colite ulcerosa, diarreia, prisão de ventre, inflamação crônica, problemas cardiovasculares, depressão e transtornos mentais, ansiedade, falta de vitalidade, enxaquecas, problemas menstruais, artrites e artroses, osteoporose, transtornos da tireoide, retenção de líquidos e fibromialgia.

Como surgiu a dieta ortomolecular

Esse programa alimentar surgiu através do plano nutricional criado pelo americano Linus Carl Pauling,  na década de 60, no século XX, Químico Quântico, ganhador do prêmio Nobel de química no ano de 1954 e o Nobel da paz em 1962.

Pauling foi o inventor do termo “ortomolecular” que deu origem a medicina ortomolecular, embora esta seja rejeitada por diversos médicos adeptos da medicina tradicional.

A alimentação recomendada pela dieta ortomolecular é balanceada e a indicação de alimentos e nutrientes varia de acordo com o profissional e a análise dos hábitos do paciente. Não possui uma fórmula preestabelecida, uma vez que respeita a resposta molecular de cada indivíduo.

Leia Também:  Deborah Secco aposta na terapia ortomolecular

Entretanto existem algumas regras básicas para esta dieta, como a proibição do consumo de carboidratos na última refeição do dia, além da proibição de qualquer forma de ingestão de carne vermelha, alimentos industrializados e gema de ovos.

Como começar o tratamento?

O tratamento ortomolecular começa com exames, seja de fios de cabelo, saliva, sangue ou urina. O objetivo é avaliar a concentração de vitaminas e minerais no organismo.

Com o resultado em mãos, o profissional elabora uma dieta personalizada e prescreve suplementos, na forma de cápsula, comprimido, pó ou injeção, para equilibrar todos os sistemas do organismo.

Apesar da eficácia, o maior problema de tratamentos individualizados está no preço. Você pode gastar entre 50 a 500 reais em suplementos, dependendo do médico escolhido.

Dicas para cozinhar a seu favor

Como a dieta ortomolecular se baseia na ingestão correta de nutrientes que balanceiam o organismo, algumas dicas ajudam na hora de emagrecer e facilitam o tratamento:

Evite a ingestão de queijos, carnes gordas e frituras. A gordura acelera a oxidação dos alimentos no sangue. Evite os utensílios de alumínio na cozinha. Os resíduos desse metal são tóxicos e podem ficar depositados na comida. Prefira panelas de vidro ou antiaderentes e cozinhe os alimentos no vapor ou no máximo a 100ºC (ponto de fervura da água). Muito calor também oxida os alimentos.

Com essas dicas básicas e um bom acompanhamento médico, emagrecer se torna mais fácil e manter a saúde também.

Top