Conheça os melhores países para ser mãe

O Brasil está no 76º lugar no ranking dos melhores países para ser mãe. Foram 178 países analisados pelo levantamento. A pesquisa State of…

O Brasil está no 76º lugar no ranking dos melhores países para ser mãe. Foram 178 países analisados pelo levantamento. A pesquisa State of the World´s Mothers 2014 (Estado das Mães do Mundo, em português), realizada pela ONG internacional Save The Children, leva em consideração informações de agências internacionais sobre saúde das mulheres, saúde das crianças, educação, renda, taxa de mortalidade infantil com menos de 5 anos, participação das mulheres na política e risco de morte materna (ou seja, a probabilidade de engravidar e a probabilidade de morrer em decorrência da gravidez).

Veja os melhores países para ser mãe (Foto: Divulgação)

Leia também: Dicas para ser uma boa mãe

Conheça os melhores países para ser mãe

A Finlândia, seguida pela Noruega e Suécia, foram as nacionalidades que atingiram as primeiras colocações desse ano da pesquisa. O Brasil ficou atrás de outros cinco países da América Latina: Chile (47º), Uruguai (53º), Equador (64º), Venezuela (67º) e Peru (72º).

Veja também: Como enfrentar os obstáculos de ser mãe adolescente

Melhores países para ser mãe: confira

Confira a seguir os 10 melhores países para se tornar mãe:

1º Finlândia

2º Noruega

3º Suécia

4º Islândia

5º Holanda

6º Dinamarca

7º Espanha

8º Alemanha

9º Austrália

9º Bélgica

Confira também: Os piores lugares do mundo para ser mãe

 

Veja maus países para se colocar um filho no mundo (Foto: Divulgação)

Piores países para ser mãe

Agora descubra quais são os 10 piores países para se ter um filho:

 

169º Costa do Marfim

170º Chade

171º Nigéria

172º Serra Leoa

173º República Centro-Africano

174º Guiné-Bissau

175º Mali

175º Níger

177º República Democrática do Congo

Continuar Lendo  Calça jeans: como escolher de acordo com a ocasião

178º Somália

O Brasil está basicamente no meio da lista de melhores países para se ter um filho porque existe aqui um alto risco de morte da mulher associada à gravidez, baixa renda e pouca participação feminina no governo.

Top