Como lidar com fanáticos religiosos

Em uma época em que a ciência, a razão e a liberdade de se expressar ganham cada vez mais destaque é difícil pensar que…

Em uma época em que a ciência, a razão e a liberdade de se expressar ganham cada vez mais destaque é difícil pensar que o fanatismo religioso possa ser um problema do mundo ocidental. Entretanto, acontecimentos como movimento da Jihad islâmica em oposição ao povo “infiel” do ocidente e a “guerra aos terroristas” do ocidente cristão deixam claros que o fanatismo está bem vivo em nossa sociedade. Saiba mais sobre o assunto e aprenda como lidar com fanáticos religiosos.

Confira mais sobre a polêmica entre fé e ciência.

O fanatismo religioso é responsável por várias tragédias ao redor do mundo. (Foto: divulgação)

Entendendo o fanatismo

Fanatismo é um termo originado do latim “fanaticus”, que significa “o que pertence a um templo”. A pessoa fanática é um verdadeiro escravo de sua obsessão, que pode ser uma divindade, um líder, uma causa ou até mesmo a fé cega.  É possível encontrar pessoas fanáticas em crentes de todas as religiões, indo desde o mais ao menos irracional. O fanático não se contenta apenas em adorar um deus, tido como senhor absoluto. Ele deseja se sentir um verdadeiro soldado desse deus, lutando por uma causa superior, pregando, exorcizando e até mesmo forçando os “infiéis” a se converter.

Sintomas do fanatismo

É necessário ter bastante cuidado com pessoas fanáticas, pois esses indivíduos estão sempre dispostos a mostrar o quanto sua “causa suprema” vale mais que a própria vida deles, de seus parentes até mesmo de toda a humanidade. Se propõem a matar e morrer por uma ideia.

A pessoa fanática tenta obrigar os infiéis a se converter. (Foto: divulgação)

A primeira manifestação de qualquer tipo de fanatismo é expressa pela convicção cega em determinada certeza, que dispensa o teste da realidade. A segunda manifestação é a imposição de suas crenças de maneira tirânica, enquanto a terceira é a intolerância para com os diferentes. Outros  sintomas importantes são:

  • Orações com duração em frequência anormais;
  • Privações em forma de castigo;
  • Peregrinação;
  • Jejum frequente;
  • O fanático não fala, faz discurso monológico que pode terminar com suicídio na tentativa de salvar o mundo das “trevas”;
  • Total confiança em “textos sagrados”;
  • Expressa necessidade ou vontade de exterminar pessoas com ideias contrárias;
Leia Também:  Falta de vitamina D: sintomas

O que fazer com fanáticos religiosos

Mais importante do que aprender a lidar com essas pessoas é saber prevenir esse tipo de problema. Excelentes resultados costumam ser obtidos através de uma boa educação, em que os pais saibam promover a cultura e estimular o sentimento de coletividade, criatividade e amor.

Para tratar o problema, a medida mais importante é saber identificar indivíduos fanáticos e convencê-los a procurar ajuda psiquiátrica. O médico terá, então, a difícil missão de tentar fortalecer sua autoimagem, mostrando para o paciente que não há necessidade dele usar violência para ser aceito.

Veja algumas loucuras que fãs fanáticos fazem por seus ídolos.

Aprenda como lidar com fanáticos religiosos. (Foto: divulgação)

O fanatismo religioso não é exclusivo do mundo oriental e também pode ser encontrado na moderna sociedade tecnológica e racional do mundo do ocidente. Esse tipo de comportamento só traz prejuízos mas, felizmente, é possível minimizar o problema logo que seja detectado qualquer indício de fanatismo.

Top