Isabella Moretti 04/03/2013 Bem Estar

Muitas pessoas transpiram de forma anormalmente aumentada, sobretudo através das mãos, pés, axilas e rosto. Quem sofre com este problema costuma passar por constrangimento e causar mal-estar social, sem falar que o suor excessivo também gera incômodo físico.

O excesso de suor causa desconforto e constrangimento. (Foto:Divulgação)

Saiba mais: Como evitar suor em excesso

Hiperidrose: produção excessiva de suor

A condição caracterizada pela produção excessiva de suor se chama Hiperidrose. Estima-se que 5 milhões de brasileiros sofrem com o problema.

As causas de transpiração excessiva variam de acordo com o tipo de hiperidrose. Se for um problema generalizado, pode ser casado por diabetes, hiperatividade da glândula da tireoide, problemas psíquicos, obesidade, menopausa ou fadiga. No caso da Hiperidrose localizada, o motivo pode estar no estresse ou excesso de calor.

Os casos leves de hiperidrose podem ser tratados com o uso de remédios. No entanto, se a medicação não adiantar, o paciente pode optar por uma cirurgia. A aplicação de Botulinus (botox) na área que produz suor em excesso também é uma forma de tratar a hiperidrose.

Quando o indivíduo sua além do normal, ele sofre de hiperidrose. (Foto:Divulgação)

A cirurgia contra o excesso de suor

A cirurgia de hiperidrose é responsável por cortar os nervos que estimulam as glândulas produtoras de suor. Os outros tratamentos para conter o suor excessivo são considerados paliativos, mas a procedimento cirúrgico promete ser a solução definitiva para o problema.

Existem diferentes tipos de cirurgia de hiperidrose, porém a técnica mais comum é a simpatectomia torácica endoscópica bilateral, que consiste na retirada ou destruição da cadeia simpática localizada no tórax. A incisão também pode ser feita nas axilas para aspirar as glândulas sudoríparas e reduzir a produção de suor especialmente desta região.

Antes de optar pela cirurgia, o paciente diagnosticado com hiperidrose deve passar por um batalhão de exames para saber se tem condições de suportar o procedimento. O tratamento cirúrgico é contraindicado para pessoas que sofrem de insuficiência respiratória ou cardíaca, diabetes descompensado e obesidade.

Existem vários tipos de cirurgia de hiperidrose, porém a mais eficaz é a simpatectomia. (Foto:Divulgação)

A simpatectomia requer anestesia geral e tem duração de aproximadamente 40 minutos. Após a intervenção cirúrgica, o paciente deve ficar pelo menos 15 dias sem realizar exercícios pesados.

Algumas pessoas que se submetem a desnervação podem apresentar aumento de suor em outras partes do corpo. O ressecamento temporário da pele também pode acontecer após a cirurgia.

O procedimento cirúrgico contra o suor excessivo tem alto grau de satisfação (de 93% a 99%). Os pacientes que passam pela cirurgia ficam mais calmos e, em consequência, rompem com o círculo vicioso de ‘estresse, suor, mais estresse, mais suor’.

A cirurgia nem sempre é eficaz para as pessoas que sofrem de hiperidrose compensatória, mas existem outras formas de tratamento que ajudam o paciente a controlar a transpiração. A realização de uma segunda cirurgia porque a primeira não funcionou não é recomendada.

Veja também: Cirurgia plástica nas axilas, hiperidrose axilar

Outros artigos

Protetor Solar com Base Loreal

22/02/2011

Protetor Solar com Base Loreal

Neste verão, com a mudança de clima entre calor e frio, chuva e sol, as pessoas preocupam-se com a aparência ou ressecamento da pele, enquanto, a proteção ao sol...

Melhores Bairros de SP para Morar

16/11/2015

Melhores Bairros de SP para Morar

Os Melhores Bairros de SP para Morar apontam como os moradores de uma mesma cidade podem ter níveis de satisfação diferentes com os locais aonde residem. Que vive em...

Jogos que marcaram os anos 80

18/03/2013

Jogos que marcaram os anos 80

A história dos jogos eletrônicos começou a se desenrolar em 1972, quando o primeiro console de videogame da história foi lançado, com o nome de Odyssey. Os primeiros...