Cinegrafista morto em confronto policial será sepultado nesta segunda-feira

O corpo de Gelson Domingos (46), cinegrafista da TV Bandeirantes, o qual morreu durante um confronto entre criminosos e a polícia, no início deste…

(Imagem: Foto divulgação)

O corpo de Gelson Domingos (46), cinegrafista da TV Bandeirantes, o qual morreu durante um confronto entre criminosos e a polícia, no início deste domingo (6), será sepultado hoje no cemitério Memorial do Carmo, no Caju, zona portuária do Rio de Janeiro. A cerimônia está programada para as 11h.

De acordo com o Grupo Bandeirantes, ele vestia um colete à prova de balas admitido pelas Forças Armadas. No entanto, o cinegrafista foi atingido por um tiro de fuzivel, que cruzou a proteção. Em nota, o Grupo divulgou que o disparo “provavelmente” partiu de um traficante.

Além de Gelson, outras quatro pessoas morreram no combate. De acordo com a PM, as outras vítimas eram delinquentes da favela.

A operação foi iniciada por volta das 6h30 e tinha o escopo de conter o tráfico de drogas e porte de armas do local, de acordo com a assessoria de jornalista da PM.

(Imagem: Foto divulgação)

O cinegrafista chegou a ser levado a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Cruz, porém, foram realizadas tentativas de reanimação, sem sucesso, segundo a Secretaria do Estado de Saúde.

Sérgio Côrtes, secretário de saúde, foi ao estabelecimento prestar apoio a família. Ainda no ínicio do domingo, o corpo foi transferido ao Instituto Médico Legal (IML).

Antes de trabalhar para a Band, o cinegrafista havia trabalhado em outras emissoras, como SBT e Record. Segundo a empresa, “sempre foi reconhecido pela experiência e cautela no trabalho que exercia”.

“O Grupo Bandeirantes se solidariza com a família e está prestando toda a assistência”, diz a nota.

Segundo a assessoria da Secretaria de Segurança Pública do Rio, a imprensa não havia sido chamada para seguir a intervenção, devido ao “elevado risco envolvido”.  A polícia está averiguando o ocorrido.

Leia Também:  Traficante Nem conta que metade de seu lucro era para subornar policiais

Top