Cigarro eletrônico: quais são os riscos

Nos últimos tempos, tem sido cada vez mais comum encontrar pessoas fazendo uso do cigarro eletrônico, dispositivo que imita o cigarro convencional, tendo a…

Por Andre em 22/04/2014

Nos últimos tempos, tem sido cada vez mais comum encontrar pessoas fazendo uso do cigarro eletrônico, dispositivo que imita o cigarro convencional, tendo a função de simular o ato de fumar.

O e-cigarette tem sido usado como um substituto para o cigarro convencional, de tabaco (Foto: Divulgação)

Muitos dos que utilizam o “e-cigarette”, como também é conhecido o produto, acreditam que ele pode ser um importante aliado na luta para parar de fumar, já que ele tem um funcionamento semelhante ao dos adesivos e chicletes que ajudam no combate ao vício, liberando nicotina aos poucos para o fumante.

Porém, ainda não há estudos mais conclusivos a respeito dos benefícios e dos malefícios que o cigarro eletrônico pode trazer, mas já existem pesquisas dando conta de que o dispositivo tem praticamente os mesmos riscos que o cigarro clássico, de tabaco, oferece para a saúde dos usuários.

Os riscos do cigarro eletrônico

Ele tem as mesmas características físicas e visuais que o cigarro clássico (Foto: Divulgação)

Em testes recentes, realizados pela Universidade de Boston, a Universidade do Sudoeste do Texas e a Universidade da Califórnia, todas elas nos Estados Unidos, os resultados apontaram que o vapor de nicotina gerado pelo cigarro eletrônico levou ao desenvolvimento de câncer em alguns tipos de células humanas, da mesma forma que a fumaça liberada pelas tragadas no cigarro comum.

Tais resultados, que carecem de novos testes para uma comprovação mais detalhada, contrariam as ideias anteriores de que os cigarros high-tech teriam menor risco de causar câncer, devido ao fato de não queimarem tabaco e de não conterem alcatrão, como os cigarros tradicionais.

Outro dos riscos do cigarro eletrônico está nos danos causados ao pulmão, aumentando a dificuldade de respirar, conforme mostraram os pesquisadores da Universidade de Atenas, na Grécia, também em testes realizados há poucos meses.

Outros perigos

Ainda existem poucos estudos a respeito dos perigos do cigarro eletrônico, mas uma boa parte deles dá conta de que o produto pode trazer riscos para a saúde (Foto: Divulgação)

Além disso, é preciso lembrar que mesmo em concentrações reduzidas, a nicotina presente no fumo eletrônico pode trazer os mesmos perigos que a substância encontrada na versão “normal” do cigarro, principalmente se o produto for utilizado com muita frequência.

Vale ressaltar ainda que o e-cigarette pode se tornar uma porta de entrada para o tabaco entre os adolescentes, que começam a utilizar o produto achando que ele é inofensivo, acabam se viciando na nicotina e, em pouco tempo, já trocam o dispositivo pelo cigarro convencional.

Top