Chevrolet retorna ao comércio de hatches médios com o Cruze Sport6 Chevrolet retorna ao comércio de hatches médios com o Cruze Sport6

Chevrolet retorna ao comércio de hatches médios com o Cruze Sport6

Com o lançamento do Cruze Sport6, a General Motors retorna ao comércio de hatches médios. Em duas versões LT com câmbio manual e LTZ…

Por Editorial MDT em 11/04/2012

O formato superior da dianteira do Sport6, é idêntico ao do Cruze.

Com o lançamento do Cruze Sport6, a General Motors retorna ao comércio de hatches médios. Em duas versões LT com câmbio manual e LTZ  com câmbio automático, o Cruze Sport6 já está disponível nas concessionárias, numa faixa de preço entre R$ 64.900 e R$ 79.400. A montadora espera distribuir entre 1.100 e 1.300 modelos ao mês, sendo 70% da versão com câmbio automático.

Posicionado numa faixa superior de preço, o Sport6 buscará metade do seu volume de vendas em consumidores de modelos da GM. “Os 50% restantes virão de outros fabricantes, que não possuem fidelidade com nenhuma marca”, espera o diretor de marketing Gustavo Colossi.

A acomodação para dirigir agrada - com destaque para a direção que, mesmo quando ajustada fica baixa.

Embora seja um modelo inteiramente novo e bem distante do Vectra GT, o Sport6 vai percorrer um caminho diverso do atual líder do segmento de sedãs médios.  “Quando há uma versão hatch e outra sedã de um mesmo modelo, dificilmente as duas vão se sobressair no mercado”, disse, referindo-se ao bom resultado da configuração das três versões do Cruze.

Desde a versão básica, LT com câmbio manual de seis velocidades, o Cruze Sport6 vêm com ar-condicionado, freio ABS com distribuição eletrônica de frenagem, retrovisor interno eletrocrômico, airbag duplo e lateral, piloto automático, Bluetooth, rodas de liga leve, controle de estabilidade e de tração, direção progressiva, CD player com entrada USB e trio elétrico.

Conjunto equilibrado

A montadora espera distribuir entre 1.100 e 1.300 modelos ao mês.

O formato superior da dianteira do Sport6, é idêntico ao do Cruze. A diferença entre um modelo e outro está na parte de baixo, onde ficam os faróis de neblina enquadrados por um anel cromado e uma grade inferior com forma de colmeia. A traseira não possui inovação em relação ao que já é oferecido no segmento. No porta-malas, há espaço para 402 litros de equipamentos.

Com o escopo de dar um ar de esportividade, a cor preta da cabine do modelo é ressaltada por algumas partes na cor preta fosca. O conjunto formado pelo câmbio automático de seis velocidades e pelo motor de 1,8 litro 16V e 144 cv de potência e 18,9 mkgf de torque, mostrou-se eficaz durante a avaliação em um segmento urbano e rodoviário.

No porta-malas, há espaço para 402 litros de equipamentos.

 A suspensão tem uma configuração mais rígida, mas não afeta o conforto dos passageiros, quando passar por alguma irregularidade da avenida. A acomodação para dirigir agrada – com destaque para a direção, a qual, mesmo quando ajustada fica baixa.

Desenvolvido sob a plataforma mais atualizada da Chevrolet no Brasil, o modelo ganhou qualificação especial para ser comercializado no comércio brasileiro. Aspecto, performance e oferta de equipamentos contam a favor do lançamento. A tática de comercializá-lo com preço próximo ao da versão sedã, todavia, pode deixar a desejar.

 

Top