Bolsonaro agride senador com um soco na barriga

Bolsonaro agride senador com um soco na barriga

Na manhã dessa segunda-feira, 23 de setembro, parlamentares e representantes do Ministério Público foram fazer uma visita ao 1º Batalhão da Polícia do Exército,…

Por Élida Santos em 23/09/2013

Na manhã dessa segunda-feira, 23 de setembro, parlamentares e representantes do Ministério Público foram fazer uma visita ao 1º Batalhão da Polícia do Exército, na Tijuca. O problema é que essa visita começou com algumas agressões.

Bolsonaro agride senador (Foto: Divulgação)

Uma discussão acalorada deu origem as agressões. O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) atingiu o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) com um soco na barriga. Nesse espaço que a visita acontecia funciova, o Destacamento de Operações de Informações — Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), que era o principal centro de tortura durante a ditadura militar.

Confusão acaba em agressão entre deputado e senador

Bolsonaro quis entrar junto com a comissão do Exército, assim a confusão foi armada. O parlamentar teve a entrada barrada por integrantes da Comissão da Verdade. Bolsonaro, ficou indignado e forçou a entrada em um portão.  O senador Randolfe Rodrigues repreendeu o deputado. Os dois, então, começaram a se estranhar e uma briga começou. Entre um empurrão e outro a agressão foi intensificada com um soco.

No final das contas o deputado conseguiu entrar no prédio, mas ficou no pátio do Batalhão. Bolsonaro não era bem-vindo na visita. O presidente da Comissão, Wadih Damous, condenou a presença do parlamentar antes mesmo da confusão começar. “É uma provocação. A presença dele não tem nada a ver com a pauta. Sua presença entre nós é indesejável. A presença do Bolsonaro integra o time das viúvas da ditadura”, disse Damous. “Eles não aceitam o contraditório”, rebateu Bolsonaro.

Imagem da discussão (Foto: Divulgação)

Visita ao exército faz parte da campanha de tombamento

A visitação das dependências do Exército na verdade é uma campanha de tombamento e de transformação do local em um centro de memória. A Comissão Estadual da Verdade pretende pedir ainda a lista dos prisioneiros políticos que passaram pelo DOI-Codi durante a ditadura militar e também informações sobre o atentado à bomba na OAB, em agosto de 1980. Além de Randolfe Rodrigues, estavam presentes no local o senador João Capiberibe (PSB-AP) e a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP).

Top