Bolsa crack: saiba mais

O Governo do Estado de São Paulo está colocando em prática um projeto que pretende auxiliar o tratamento dos usuários de crack. A família…

O Governo do Estado de São Paulo está colocando em prática um projeto que pretende auxiliar o tratamento dos usuários de crack. A família que possui algum parente dependente terá o direito a receber uma espécie de bolsa para custear a internação.

O Governo do Estado de São Paulo quer ajudar os dependentes de crack a se livrarem do vício. (Foto:Divulgação)

O programa que o Governo Alckmin está lançando não é uma novidade no Brasil. Na verdade, ele buscou inspiração na iniciativa chamada “Aliança Pela Vida”, desenvolvida em Minas Gerais. O projeto mineiro custeia o tratamento de usuários de crack com uma ajuda de R$ 900 por mês.

Saiba mais: Maioria dos usuários de crack deseja largar o vício, diz estudo da Unifesp

‘Cartão Recomeço’: auxílio para o tratamento de dependentes

A bolsa para tratar os dependentes de crack recebeu o nome de “Cartão Recomeço”. O programa, lançado em maio, pretende oferecer uma ajuda de R$ 1.350 por mês para cada família de um usuário de drogas.

O ‘Cartão Recomeço’ espera financiar a recuperação de dependentes químicos em clínicas especializadas. De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Social, a iniciativa começará a distribuir o benefício em 60 dias e, a princípio, 3 mil viciados serão atendidos.

Para facilitar o acesso ao tratamento contra as drogas, o Governo do Estado de São Paulo fez parceria com clínicas especializadas. A expectativa do programa é que o índice de reincidência dos usuários diminua.

O dinheiro será repassado diretamente para as clínicas parceiras. (Foto:Divulgação)

O benefício, apelidado de ‘bolsa crack’, pretende ajudar os dependentes químicos que buscarem tratamento voluntariamente. O alvo do programa consiste em atender os indivíduos que já se internaram pelo menos pelo período de 30 dias.

O paciente que for aceito no programa receberá um cartão com os seus dados, que deverá ser apresentado ao longo do tratamento. O pagamento será realizado diretamente para as clínicas de reabilitação, ou seja, os dependentes e familiares não receberão diretamente o dinheiro.

A duração do “Cartão Recomeço” é de seis meses, período que os especialistas consideram apropriado para uma recuperação. As clínicas participantes deverão oferecer oficinas laborativas e aumentar o vínculo do dependente químico com a sua família.

Considerando o tratamento de 180 dias com um gasto de R$ 1.350 por mês, cada usuário de crack terá um custo de R$ 8,1 mil ao governo.

O 'Cartão Recomeço' tem um valor de R$ 1.350 por mês. (Foto:Divulgação)

Cidades atendidas

A princípio, somente as clínicas de 11 cidades paulistas poderão participar do programa “Cartão Recomeço”, são elas: Campinas, Diadema, Sorocaba, Bauru, São José do Rio Preto, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Santos, Mogi das Cruzes, Osasco e Mogi das Cruzes.

Na capital paulista, os dependentes químicos já recebem tratamento gratuito através do Cratod e do convênio com a Missão Belém.

Veja também: Ministério Saúde plano contra drogas – Crack

Top