Bebês prematuros possuem mais problemas emocionais

Sabe-se que bebês que nascem muito prematuros (cerca de 32 semanas) tendem a apresentar mais variações comportamentais do que aqueles que chegaram ao tempo…

Imagem: (Foto Divulgação)

Sabe-se que bebês que nascem muito prematuros (cerca de 32 semanas) tendem a apresentar mais variações comportamentais do que aqueles que chegaram ao tempo total de gravidez (entre 37 e 41 semanas). Até o momento, não se tinha o conhecimento das implicações em bebês que nascem poucas semanas antes do presumido.

Para a pesquisa, estudiosos holandeses seguiram um pouco mais de 1.500 crianças com quatro anos de idade. Do total, menos de 1.000 crianças haviam nascido entre 32 semanas e 35 semanas, avaliadas como ‘moderadamente prematuras’.

Elas foram submetidas a testes para analisar o desempenho e o desenvolvimento emocional. Alguns elementos foram analisados, entre eles o comportamento depressivo, distúrbio de atenção e agressividade. E mais, atitudes como exteriorizar ou internalizar os sentimentos também foram analisadas pelos estudiosos.

Os resultados apontaram que crianças moderadamente prematuras tinham 2,5 mais chances de interiorizar comportamentos problemáticos do que as crianças nascidas no período completo de gestação.  A pesquisa também apontou que elas eram duas vezes mais predispostas a ter queixas somáticas e quase duas vezes capazes a ter dificuldades emocionais e comportamentais do que as outras crianças.

 “Nossos resultados demonstram que crianças moderadamente prematuras têm mais chances de ter problemas comportamentais antes de entrarem na escola”, escreveram os estudiosos. Para eles, o estudo ajuda a definir as crianças que necessitam de orientação especial para reduzir a caso desses problemas antes do período escolar, diminuindo as implicações futuramente.

Top