Bancos aumentam tarifas de serviços após redução de juros

As agências bancárias privadas aumentaram os custos de serviços mais utilizados pelos clientes após divulgarem as reduções nas taxas de juros para empréstimos. Segundo…

A tarifa que mais dobrou, passou de R$ 21,2 para R$ 42.67 (acréscimo de 101,27%).

As agências bancárias privadas aumentaram os custos de serviços mais utilizados pelos clientes após divulgarem as reduções nas taxas de juros para empréstimos.

Segundo a pesquisa realizada com dados do Banco Central conferindo os custos cobrados em 2 de abril e em 14 de maio, após a redução dos juros, mostra que as tarifas adquiridas para saques de conta corrente e poupança (realizadas no caixa além do mínimo admitido gratuitamente) aumentaram 11,88%.

Leia mais: BB divulga nova redução de juros para micro e pequenas empresas

Os extratos mensais realizados no caixa ou por outras forma de atendimento pessoal (após o mínimo oferecido gratuitamente) apresentaram acréscimo de 14,21% na média.

A tarifa que mais subiu foi o adquirida para venda de cheque de viagem ou emissão de cartão pré-pago em moeda estrangeira. Já a tarifa que mais dobrou: passou de R$ 21,2 para R$ 42.67 (acréscimo de 101,27%). Somada todos os custos, o aumento médio foi de 1,56%.

A tarifa que mais subiu foi a de cheque de viagem ou emissão de cartão pré-pago em moeda estrangeira.

De acordo com a Pro Teste, as agências condicionam a oferta dos juros reduzidos no crédito à adesão a um plano com tarifas mais elevadas.”A diferença de tarifa mensal no empréstimo pode dar um valor expressivo, em alguns casos até tornar o empréstimo mais caro do que nas condições anteriores”, aponta Verônica Dutt-Ross, economista da entidade.

Leia também: Saiba se vale a pena trocar de banco para pagar menos juros

A associação aponta também que os reajustes em serviços muito aproveitados pelos consumidores é suficiente para acarretar um aumento expressivo na receita. De acordo com a Febraban, em 2011, quase  todos os custos tiveram reajuste médio abaixo da inflação, de 6,5%.

Leia Também:  Sonambulismo - conheça as causas e tratamentos

O Santander assegura que não mudou os custos de seus produtos e que informa antecipadamente ao cliente qualquer alteração. Bradesco, Itaú e HSBC não comentaram sobre a questão.

Top