Aspirina atua como anticoagulante em pessoas cardíacas, diz estudo

Segundo uma análise conduzida pela Universidade da Columbia, nos Estados Unidos,  a aspirina possui desempenho tão bom quanto o anticoagulante warfarina na maioria das…

A aspirina previne a coagulação e a warfarina dissolve o sangue.

Segundo uma análise conduzida pela Universidade da Columbia, nos Estados Unidos,  a aspirina possui desempenho tão bom quanto o anticoagulante warfarina na maioria das pessoas com insuficiência cardíaca para prevenir hemorragia, AVC (Acidente Vascular Cerebral) ou a morte. A pesquisa foi divulgada na última quarta-feira na revista médica New England Journal of Medicine.

A pesquisa que trabalhou com mais 2.305 pacientes em 11 países, descobriu que o risco combinado de hemorragia, AVC e morte era de 7,47% ao ano para as pessoas que ingeriam warfarina e de 7,93% ao ano para aquelas que ingeriam aspirina, uma diferença que os pesquisadores consideram estatisticamente imperceptível.

Leia mais : Como a Aspirina pode ajudar no combate ao câncer

“Visto que os riscos e benefícios globais são similares na aspirina e na warfarina, o paciente e seu médico são livres para escolher o tratamento que melhor se adapta às suas necessidades médicas específicas”, disse Shunichi Homma, principal pesquisador.”No entanto, em vista da conveniência e do baixo custo da aspirina, muitos podem seguir este caminho”, observou.

a aspirina possui desempenho tão bom quanto o anticoagulante warfarina em pessoas cardíacas.

A insuficiência cardíaca pode elevar o risco de coágulos sanguíneos, que pode ocasionar o derrame cerebral. A aspirina previne a coagulação e a warfarina disponível exclusivamente com indicação médica dissolve o sangue.

Leia também: Os mitos e verdades sobre a aspirina

“Com pelo menos seis milhões de americanos, e muitos mais em todo o mundo, sofrendo de insuficiência cardíaca, o resultado do estudo WARCEF terá um grande impacto na saúde pública”, afirmou Walter Koroshetz, vice-diretor do Instituto Nacional de Transtornos Neurológicos e Acidentes Vasculares Cerebrais dos Estados Unidos (NINDS, na sigla em inglês).

A pesquisa ainda verificou que pessoas que ingeriam a warfarina, possuíam metade do risco de sofrer AVC do que aquelas que ingeriam aspirina, mas apresentavam o dobro de risco de sofrer uma hemorragia grave. Desse modo, segundo o pesquisador “a decisão chave será entre o aumento do risco de acidente vascular cerebral com aspirina ou o aumento do risco de hemorragia gastrointestinal com a warfarina“.

Top