As Fases do Luto

As fases do luto são vivenciadas por todas as pessoas em algum momento da vida. O falecimento de um amigo ou familiar é algo…

Por Redacao em 01/10/2014

As fases do luto são vivenciadas por todas as pessoas em algum momento da vida. O falecimento de um amigo ou familiar é algo difícil de aceitar, por isso a reação humana não é das melhores. Primeiro vem à negação do fato, depois a raiva de ter perdido alguém querido, em seguida sofremos a barganha, a depressão e, por último, a aceitação.

As Fases do Luto. (Foto: Divulgação)

Talvez o luto seja o pior sentimento que podemos vivenciar. A dor da perda de um ente querido parece não ter fim e certamente, mais dia menos dia, todos irão passar por isso. A única certeza da vida é a morte, mas quando ela acontece, é algo quase sempre inaceitável.

É importante que a pessoa passe pelas cinco fases do luto para que, finalmente, possa chegar à aceitação. O tempo que leva cada etapa é muito relativo, depende muito do tipo de perda e do preparo psicológico de cada um.

Muitos psicólogos acreditam que o grande erro das pessoas reside em evitar falar sobre a morte. É bobagem pensar que o assunto atrai coisas ruins. Conversar sobre perdas é algo importante para preparar o coração e aceitar que ninguém é eterno, que a morte é um desfecho que não manda aviso prévio e que, quase sempre, pega de surpresa.

Veja também: Como falar de morte com as crianças

Quais são as fases do luto?

O processo de luto é composto por fases. Confira a seguir informações sobre cada uma delas:

1ª fase: Negação

A negação é uma fase aguda, de total ou parcial negação da realidade. Nesse primeiro momento, a pessoa não consegue aceitar e até mesmo acreditar naquilo aconteceu. Ela pode levantar alguns questionamentos, como: “Isso não é verdade!”, “Porque isso foi acontecer?”, “Eu deveria ter feito algo para evitar” e “A culpa foi minha”.

Existem situações tão difíceis em que as pessoas simplesmente negam o ocorrido, não acreditam na noticia como uma tentativa de mudar a atual situação. Talvez seja a fase de maior sofrimento. Ela pode durar horas, dias ou mais de uma semana. Nesse período, a pessoa fica meio deslocada, não percebendo ao certo a realidade.

A raiva é a segunda fase do processo de luto. (Foto: Divulgação)

2ª fase: Raiva

Para conseguir superar a perda de um ente querido, também é importante passar pela raiva. A raiva surge da impossibilidade de mudar a realidade, somada à sensação de fracasso. É comum sentimentos de revolta, ressentimento e até mesmo inveja estarem associados. Esta fase é caracterizada pela indignação, agitação, agressão e insônia. O desejo de ter a pessoa de volta pode gerar crises de fúria e choro.

Alguns sentimentos são comuns na segunda fase do luto, como é o caso da revolta contra Deus. A pessoa que está de luto pode ter os seguintes pensamentos: “Deus foi injusto comigo” e “Eu não merecia isso”.

3ª fase: Barganha

A fase do luto Barganha é caracterizada pela tentativa desesperada de troca ou negociação, já que a revolta não surtiu efeito. É um devaneio desesperado de tentar, a todo custo, ter a pessoa de volta. A pessoa geralmente faz promessas para um ser superior: “Faço o que for preciso, mas me devolva ele (a)”. A culpa também atormenta aumentando ainda mais o sofrimento.

Antes de aceitar a morte, a pessoa enfrenta uma depressão. (Foto: Divulgação)

4ª fase: Depressão

A depressão ocorre cerca de duas semanas após a morte, vem acompanhada de tristeza, reclusão social e silêncio, como num quadro típico depressivo. A pessoa se apega a tudo que faça lembrar ao ente querido e a dor é silenciosa. O sofrimento é reforçado nas datas comemorativas como aniversário natal e ano novo. Geralmente essas datas no primeiro ano após a perda são muito marcantes, pois é a primeira vez que se passa sem a pessoa. O isolamento acaba sendo a única opção, pois nem todo mundo vivencia ou compartilha do luto nas datas comemorativas.

5ª fase: Aceitação

A aceitação é o período onde a pessoa assimila que não existe volta, que a morte aconteceu e ponto final. Os laços afetivos voltam a ser refeitos e a vida começa a fazer sentido novamente. A tristeza ainda existe, porém as lembranças não são mais tão devastadoras. A aceitação completa, talvez nunca aconteça, mas nesse período já conseguimos tocar a vida a diante e administrar melhor a dor. A vida é cíclica, então percebemos que tudo na natureza tem um começo, um meio e um fim e que só nos resta a opção de continuar a viver, tentando fazer dessa experiência menos dolorosa possível.

É importante que você entenda as fases do luto, caso esteja vivenciando a perda de uma pessoa querida ou queira ajudar alguém que está sofrendo.

Top