Armas apreendidas na Rocinha e no Vidigal já somam mais de 2 milhões de reais

As autoridades apreenderam cerca de 2 milhões de reais em armas durante a ocupação nas favelas da Rocinha e do Vidigal. De acordo com…

As autoridades apreenderam cerca de 2 milhões de reais em armas durante a ocupação nas favelas da Rocinha e do Vidigal. De acordo com o último levantamento feito pela Secretaria de Segurança, divulgado na noite desta terça-feira (15), são 73 fuzis, 56 outras armas (entre ela metralhadoras, submetralhadoras, carabinas, espingardas, lança-rojões, pistolas) e mais de 23 mil balas de diversos tipos. Além disso, 147 explosivos (granadas, bombas e rojões), mais de 350 quilos de drogas, 146 motos e 2 carros roubados também foram apreendidos.

“O valor de cada arma depende das suas condições de utilização e do ágio cobrado no mercado paralelo. Pela quantidade arrecadada, estimo que o arsenal valha R$ 2 milhões. Se contarmos a munição, esse valor pode dobrar.”, contou Ronaldo Leão, diretor do Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense.

A chefe do Setor de Estatísticas da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), Andréia Gouveia, exemplificou que uma metralhadora ponto 30 chega a custar R$ 20 mil no mercado negro de armas. Um fuzil varia entre R$ 10 mil e R$ 15 mil, dependendo do modelo.

“Assim que as apreensões das armas forem registradas na Polícia Civil, a Drae vai iniciar o rastreamento delas. Precisamos descobrir a origem do armamento que estava com os criminosos para interromper esse fluxo de armas de guerra para mãos de criminosos.”, disse.

As primeiras armas foram encontradas abandonadas pelos bandidos entre duas casas. Em seguida, outras apreensões aconteceram dentro de um tonel enterrado há dois metros de profundidade. Até mesmo uma refinaria de cocaína com localizador foi encontrada, que, segundo o Bope, os bandidos precisavam desse equipamento para chegar até o imóvel em decorrência do difícil acesso, já que ficava em uma área com muitos becos.

Leia Também:  Maconha ainda é a principal droga consumida na América do Sul

Top