Aprenda a escolher o incenso certo para a casa

Os incensos acompanham o homem desde muito tempo, por isso, saiba quais são os mais adequados para serem usados no seu lar. […]

A utilização de aromas é considerada algo muito positivo para os praticantes do Feng Shui. Para esses, os incensos são uma forma de colocar a harmonia no ambiente e de trazer boas energias para o local, e também para os moradores. Mas será que pode ser usado qualquer um? Não, existem os mais adequados às determinadas situações. Até mesmo para quem não segue aquela linha de raciocínio, muitos acreditam que os aromas realmente podem trazer diversos benefícios e compram bastante deles.

Para aquelas casas em que falta a alegria, em que há discussões e que são necessárias a paz, a felicidade e, especialmente, a limpeza do ambiente, valem os incensos de mirra, limão, erva cidreira, acácia, madeira, amêmdoa, ópio, benjoim, lótus, maçã alecrim, verbera, cânfora, beijoim, arruda, cedro, citronela e eucalipto.

Em lugares onde está havendo uma certa disputa entre os familiares, que precisam tirar inveja, por exemplo, podem ser usados a camomila, alfazema, arruda, violeta, acácia, alecrim, mil-flores, maçã, canela, manjerona, bergamota, lavanda e citronela.

Como a rotina faz parte da maior parte das pessoas, muitas vezes o casamento ou o namoro cai em um ritmo que desanima as partes envolvidas. Por isso, para reativar as energias do casal são usados os incensos de  alfazema, camomila, jasmim, erva doce, almíscar, dama da noite, noz moscada, rosa, patchouly, verbera, orquídea, madeira, maçã, ylang, ylang, âmbar, camélia, baunilha, lavanda e pinho.

Os incensos são usados em suportes pequenos de madeira, e devem ser colocados nos ambientes onde se quer ter determinado sentimento ou harmonização. Muitos também, usam produtos semelhantes, que são difusores em que os aromas são expelidos ao longo do dia. Esses aparelhos podem ser elétricos, facilitando a vida dos moradores da casa e trazendo a tão desejada harmonia.

Leia Também:  Mortalidade materna caiu 47% nos últimos 20 anos

A história desses pequenos difusores de perfume, diz que antes mesmo do homem dominar o fogo, ele já conhecia os aromas que existiam nas florestas e desde então, relacionava os contatos com as situações. Assim que passou a dominar o fogo, começou também a queimar propositalmente madeiras e folhas, para que pudesse obter os cheirinho desejado. Ao longo da história, esse pequeno objeto esteve presente nas civilizações.

Top