Aprenda a beber com moderação

A celebração da virada do ano sempre vem banhada com muita champanhe, destilados, cerveja e outros tipos de bebidas alcoólicas.  Os efeitos do álcool…

Por Editorial MDT em 30/12/2011

Imagem: (Foto Divulgação)

A celebração da virada do ano sempre vem banhada com muita champanhe, destilados, cerveja e outros tipos de bebidas alcoólicas.  Os efeitos do álcool variam de intensidade segundo as peculiaridades pessoais. Tudo depende do peso da pessoa e da capacidade de processá-lo. Todavia, independente destes elementos, o consumo da bebida deve ser realizado com moderação e responsabilidade.

Afinal, o que significa beber moderadamente?

O impacto da ingestão de álcool sobre doenças e lesões é definido por duas grandezas: a primeira é o volume total do álcool ingerido, cujos discernimentos da OMS (Organização Mundial da Saúde) tomados como referência de beber seguro são de uma dose ao dia para as mulheres e duas para os homens, sendo ponderada uma dose 350 ml de cerveja, 90 ml de vinho ou 40 ml de destilado.

A segunda é o padrão de beber, cuja uma das características mais importante é o consumo abusivo, particularmente lesivo a saúde física e mental. É considerado abusivo o consumo de 60g de álcool num curto intervalo de tempo. Cerca de 5 doses para homens e 4 doses para mulheres.

A OMS aconselha não consumir bebidas alcoólicas pessoas nas seguintes condições:

1. Se for gestante ou estiver amamentando;

2. Se for dirigir ou operar uma máquina;

3. Portadores de pressão alta ou doença do fígado;

4. Vinculação alcoólica;

5. Menores de 18 anos.

Alguns índices atentam a essa preocupação. Dados divulgados no I Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira, desenvolvido pelo Governo Federal, mostram que 45% dos brasileiros adultos que bebem apresentaram pele menos um problema associado ao álcool, mais frequente entre homens, e mais comuns na região Centro-Oeste.

O mesmo levantamento mostra que, dentre os indivíduos que ingeriram álcool nos últimos doze meses, 1,152 indivíduos, sendo 599 homens e 533 mulheres, dirigiram logo depois. “A ingestão de álcool, mesmo em pequenas quantidades, diminui a coordenação motora e os reflexos, comprometendo a capacidade de dirigir veículos, ou operar outras máquinas”, conclui.

No começo deste ano, a OMS publicou um documento global sobre a saúde e consumo de álcool, com informações referentes até o ano de 2005 e adverte que o uso excessivo de álcool, acarreta 2,5 milhões de mortes anualmente e, cerca de 320 mil jovens entre 15 e 29 anos de idade morrem de causas associadas ao consumo do mesmo, representando 9% da mortalidade nessa faixa etária.

Embora não seja dependente do álcool, um indivíduo que o consome sem moderação pode apresentar dificuldades tão ou mais sérias que os alcoólatras.

Top