Alzheimer afeta mais rápido o cérebro da mulher do que o do homem

No Brasil existem aproximadamente 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo que 6% delas são vítimas de Alzheimer. A doença incurável…

Por Isabella Moretti em 30/08/2012

No Brasil existem aproximadamente 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo que 6% delas são vítimas de Alzheimer. A doença incurável e bastante comum na terceira idade é responsável por causar declínio cognitivo no indivíduo, prejudicando suas funções intelectuais e o comportamento.

Mulheres sofrem mais com os efeitos do Alzheimer, em comparação aos homens. (Foto:Divulgação)

Cérebro feminino é mais afetado pelo Alzheimer

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, revelou que o Alzheimer deteriora mais rápido o cérebro feminino do que o masculino, mesmo quando a doença se encontra no mesmo estágio. Os resultados do estudo foram divulgados no Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology.

Para chegar à conclusão de que os danos do Mal de Alzheimer são maiores em mulheres do que em homens, os pesquisadores avaliaram 828 participantes do sexo masculino e outros 1.238 do sexo feminino através de testes de memória e comportamento. Fatores como idade e nível de escolaridade não foram capazes de justificar a resistência masculina a evolução do Alzheimer.

A doença afeta a memória, o comportamento e as habilidades cognitivas. (Foto:Divulgação)

Constatou-se, então, que os homens diagnosticados com a doença degenerativa apresentam menor progressão da demência, além do que as condições de memória e linguagem são superiores ao das mulheres que sofrem com o mesmo problema. Por outro lado, a análise do grupo de pessoas saudáveis mostrou que as participantes do sexo feminino alcançaram os melhores índices com relação às habilidades cognitivas.

Segundo o professor Keith Laws, responsável por conduzir as análises do estudo, existe uma razão, que não é inteligência, capaz de fazer os homens afastar os efeitos do Alzheimer por mais tempo.

Veja também: Cafeína ajuda a reduzir probabilidade de Alzheimer

Saiba mais sobre o Mal de Alzheimer

O Alzheimer é uma doença degenerativa sem cura, mas que pode ser tratada. (Foto:Divulgação)

Embora o cérebro feminino seja mais vulnerável às consequências do Alzheimer do que o masculino, os sintomas, a forma de diagnóstico e o tratamento são os mesmos.

No início da doença, o paciente apresenta perda de memória recente, dificuldades de aprendizado, distúrbios de comportamento, desorientação no tempo e no espaço, problemas de comunicação, discurso repetitivo, demências, afastamento do convívio social, não reconhecimento de amigos e familiares.

Com o diagnóstico da doença, é necessário que haja acompanhamento médico e tratamento medicamentoso para conter o avanço dos sintomas. O Mal de Alzheimer não tem cura, mas o déficit de memória pode ser melhorado através da correção do desequilíbrio químico do cérebro.

Embora as causas da doença degenerativa sejam desconhecidas, os médicos acreditam que alguns hábitos podem ajudar a prevenir o Alzheimer, como alimentação saudável, exercícios físicos e atividades que estimulem a memória, como a leitura.

Saiba mais: Ômega 3 para prevenir Alzheimer 

Top