Menu

Saúde

Atualizado em 6 de agosto de 2012, às 8:44 por Isabella Moretti
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUS

A vacina tetraviral, que previne catapora, sarampo, caxumba e rubéola, fará parte do calendário de 2013.

Considerada uma doença comum e, até mesmo, benigna, a catapora tem sido motivo para várias internações no Brasil. Embora seja uma doença típica da infância, ela pode ter complicações e até mesmo levar a morte.

498020 Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUS 1 Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUSPara combater a catapora e suas complicações, Ministério da Saúde aposta na vacina tetra viral. (Foto:Divulgação)

SUS apostará em vacina contra catapora em 2013

O Ministério da Saúde anunciou que a vacina contra catapora (tetra viral) fará parte do calendário básico de vacinações do SUS a partir de 2013. De acordo com as autoridades de saúde, cada injeção é capaz de imunizar o indivíduo contra sarampo, rubéola, caxumba e catapora.

A nova medida que aprova a vacina contra a catapora promete contribuir com o Sistema Único de Saúde, afinal, nos últimos dez anos, foram registradas mais de 69 mil internações por causa de catapora no Brasil. Atualmente não existe imunização contra catapora acessível a todos, ou seja, as doses só são aplicadas pelo SUS em casos de surtos.

A primeira dose da vacina contra a catapora deve ser dada logo no primeiro aniversário, enquanto a aplicação do reforço acontecerá apenas quatro anos mais tarde. No caso de crianças e adultos que já receberam a primeira dose da tríplice viral, o SUS deve continuar com o mesmo tipo de vacina para assegurar uma imunização completa. Lembrando que receber apenas a segunda dose da tetra viral não é suficiente para imunizar contra doenças.

498020 Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUS Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUSVacina contra catapora terá fácil acesso e não será aplicada apenas em casos de surtos. (Foto:Divulgação)

Segundo o Ministério da Saúde, o investimento para combater a catapora e outras doenças virais é equivalente a 127,3 milhões de reais. Com esta verba, é esperado efetuar a compra de 4,5 milhões de vacinas da tetra viral por ano. A fabricação será nacional, graças à parceria entre o laboratório GSK e a Fundação Oswaldo Cruz.

Muitos médicos consideram a inclusão da tetra viral no calendário básico do SUS como algo extremamente importante. A vacina, produzida a partir do vírus varicela-zóster, será eficaz contra uma doença altamente contagiosa e que pode ter consequências graves. Por exemplo, se uma criança apresenta catapora e frequenta a sala de aula, o risco dos coleguinhas desenvolverem a mesma enfermidade é de 70%.

Veja também: Calendário vacinação infantil 2012

Catapora: sintomas, tratamento

A catapora, também conhecida como varicela, é uma doença caracterizada pelos pontinhos vermelhos que aparecem no corpo todo. Além das pequenas bolhas que surgem na pele e causam coceiras, a enfermidade também apresenta como sintomas o mal-estar, a febre e a dor de cabeça. Em geral, os sinais da catapora se manifestam de 10 a 21 dias após o contágio.

498020 Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUS 2 Vacina contra catapora passa a fazer parte de calendário do SUSAlém das lesões de pele que causam coceira, a catapora também apresenta a febre como sintoma. (Foto:Divulgação)

O tratamento contra a catapora consiste em aliviar os sintomas, por isso é importante buscar orientações de um médico para obter um medicamento antialérgico ou uma loção capaz de amenizar as coceiras constantes. Em casos de feridas causadas pelas lesões de pele, é importante tomar alguns cuidados para que não sejam afetadas por bactérias e se transformem em infecções.

Saiba mais: Alerta para a catapora – sintomas, cuidados

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.