Menu

Saúde

Atualizado em 19 de fevereiro de 2009, às 13:59 por Redacao
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Como manter um bom funcionamento do organismo

485556 Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais diz estudo 2 Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais, diz estudo Permanecer sentado por muito tempo reduz tempo de vida, diz estudo. (Foto:Divulgação)

O sedentarismo representa um grande mal do século XXI e resulta em sérios problemas de saúde. Quem leva uma vida sedentária, ou seja, sem praticar atividades físicas, tem maiores chances de sofrer com dores nas costas, artrite e artrose, além de comprometer a agilidade e os reflexos. O sedentarismo também favorece outras doenças, como obesidade, diabetes, pressão alta e problemas cardíacos.

Muitas pesquisas já foram realizadas para identificar o impacto da vida sedentária sobre a saúde das pessoas. Recentemente, um estudo descobriu que passar menos tempo sentado ajuda a viver mais.

Leia mais sobre: Sedentarismo, o que é, como evitar no dia-a-dia

Permanecer muito tempo sentado reduz expectativa de vida

De acordo com um estudo realizado pelo Pennington Biomedical Research Center em Baton Rouge, nos Estados Unidos, sentar menos pode prolongar a expectativa de vida. Os autores do trabalho concluíram que as pessoas que passam menos tempo sentadas desfrutam de 1,4 anos a mais. Os resultados da pesquisa foram publicados na versão virtual da revista BMJ Open.

Para chegar às conclusões, os pesquisadores norte-americanos analisaram uma grande amostra populacional, ou seja, quase 167 mil pessoas adultas que tinham participado de outros estudos nos Estados Unidos. Foram vários dados coletados com relação ao tempo empregado em determinadas atividades, como assistir TV. Também foi necessário fazer a revisão das pesquisas que associavam o tempo em que cada indivíduo passa sentado às principais causas de mortes, como diabetes e doenças cardíacas.

485556 Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais diz estudo 1 Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais, diz estudo Assiste menos de duas horas de televisão por dia amplia o tempo de vida em um ano e quatro meses. (Foto:Divulgação)

Ao desenvolver o novo estudo, os autores se basearam numa técnica que leva em conta os fatores de risco da população. Eles alertaram ainda que a pesquisa não avalia o perigo que cada indivíduo sofre ao permanecer sentado por muito tempo, mas sim o efeito do estilo sedentário sobre a longevidade. Peter Katzmarzyk e I-Min Lee, especialistas responsáveis pelo estudo americano, afirmaram também que as estimativas são teóricas.

Após a revisão de tantos dados coletados, conclui-se que quem assiste menos de duas horas de televisão por dia amplia o tempo de vida em um ano e quatro meses. Outras tarefas que o indivíduo desenvolve sentado, como jogar videogame e usar o computador, também representam riscos para a saúde, pois são indicadores de uma vida sedentária.

Saiba mais: Ficar sentado muito tempo traz riscos à saúde

485556 Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais diz estudo Passar menos tempo sentado ajuda a viver mais, diz estudo Quem trabalha no escritório permanece muito tempo sentado. (Foto:Divulgação)

Opinião de outro especialista

Embora o artigo da pesquisa tenha sido publicado no BMJ Open, alguns estudiosos de outros países não se mostraram surpresos com os resultados. Para David Spiegelhalter, pesquisador da Universidade de Cambridge, as análises representam um estudo de populações, mas não revelam ao certo quais os benefícios de ‘sair do sofá’.

David Spiegelhalter acredita também que os resultados só reforçam o que já se sabia, isto é, que as gerações futuras estão arriscadas diante do impacto do sedentarismo sobre a saúde. Entretanto, como poucas pessoas permanecem menos de três horas sentadas por dia, a pesquisa norte-americana pode servir de alerta para que as americanos se movimentem mais.

 

 

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.

RECEBA OS ARTIGOS VIA EMAIL