Menu
Você está em: MundoDasTribos > Smartphones batem computadores no acesso ao Facebook nos EUA

A pesquisa apontou que usuários de smpatphones consumiram 441 minutos ou 7 horas e 21 minutos, no Facebook em março, contra 391 minutos ou 6 horas e 31 minutos em computador.
Por Editorial MDT -

A pesquisa chama a atenção para o papel cada vez mais ressaltante de celulares no acesso a redes sociais.

Segundo um levantamento realizado pela empresa de pesquisas comScore, 441 minutos foi o tempo médio consumido no Facebook em smartphones no mês de março nos Estados Unidos, contra 391 minutos em computadores. A pesquisa chama a atenção para o papel cada vez mais ressaltante de celulares no acesso a redes sociais.

Leia mais: Facebook lança ferramenta contra bullying

O mais recente levantamento “Mobile Metriz 2.0”, da comScore, apontou que usuários norte-americanos de smpatphones consumiram 441 minutos ou 7 horas e 21 minutos, no Facebook em março, contra 391 minutos ou 6 horas e 31 minutos através de um computador.

Em relatórios registrados por conta de sua Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla em inglês), o Facebook ressaltou a importância de celulares, ao mesmo tempo alegando que usuários de smartphones não originam rendimento expressivo.

Leia também: Instale o Instagram em seu PC

“Se usuários realizarem cada vez mais acessos por meio de celulares, substituindo acessos por meio de computadores, e se formos incapazes de implementar de maneira bem-sucedida estratégias de monetização para aqueles usuários”, escreveu a empresa nos documentos referentes ao IPO, “nossa performance financeira e habilidade de gerar receita será negativamente afetada”.

Instagram

O Instagram permite adicionar filtros em fotos e compartilhá-las em redes sociais.

Em abril deste ano, o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, divulgou a aquisição do Instagram por US$ 1 bilhão. O aplicativo gratuito pra iPhone, e agora para o sistema Android admite adicionar filtros em fotos e compartilhá-las em redes sociais. Segundo o brasileiro Mike Krieger – um dos cofundadores da companhia – a compra do programa mostra que o Facebook investe cada vez mais pesado na internet móvel.


RECEBA OS ARTIGOS VIA EMAIL