Menu

Saúde

Atualizado em 26 de abril de 2011, às 17:20 por Redacao
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Prisão de Ventre, Sintomas, Tratamento e Alimentação

prisao1 Prisão de Ventre, Sintomas, Tratamento e Alimentação

A prisão de ventre, popularmente chamada de “intestino preso” é definida como a vagarosidade no espaço de tempo entre uma evacuação e outra. Geralmente definidos quando uma pessoa evacua menos de três vezes por semana, e as fezes são difíceis de eliminar, em tamanho pequeno, duras e secas.
O espaço de tempo de uma evacuação para outra varia de pessoa para pessoa, podendo ser de três vezes ao dia, ou três vezes por semana e ainda assim ser considerada normal. Provavelmente a maioria das pessoas já sofreu desse mal, e a causa mais comum da prisão de ventre ocorrer é devido a ma alimentação.

Os sintomas da prisão de ventre são incômodos e desagradáveis, porem, fáceis de identificar. O desconforto abdominal, uma sensação de barriga estufada, dores abdominais. Irritabilidade, flatulência, hemorróidas, apendicite, acnes, inflamação do abdômen e etc. Estes são os sintomas mais comuns provenientes do intestino preso.

As causas da prisão de ventre são diversas, e saber os motivos do qual a prisão de ventre é ocasionada, evita também que ela apareça com freqüência. A causa mais comum, é a falta da ingestão de fibras na alimentação, porem outras causas são: ignorar as vontades de evacuar, seja qual for o motivo, inibir esta vontade é extremamente errado, pois com o tempo o cérebro irá inibir a vontade de evacuar, pois todas as vezes que a necessidade chega, é inibida pelo individuo; o abuso de laxantes acaba com a flora intestinal, e o corpo acaba necessitando de doses cada vez mais altas para poder evacuar; falta de atividades físicas; mudanças na rotina, como viagens; alguns medicamentos; alimentos gordurosos; problemas no cólon e reto, estresse, entre outros.
prisao2 Prisão de Ventre, Sintomas, Tratamento e Alimentação

A ingestão de fibras é fundamental para um bom funcionamento do intestino e como prevenção da prisão de ventre, bem como a ingestão de líquido ajuda intestino a agir com mais facilidade e deixa as fezes com a consistência certa, para não ocasionar dor e dificuldade na hora de evacuar.
Consumir 30 g por dia de fibra já é o suficiente para auxiliar no tratamento para prisão de ventre. São alimentos como: feijão, grãos integrais, cereais, frutas frescas, e vegetais como aspargo, couve, repolho e cenoura, ricos em fibras que não podem faltar na dieta de quem possui este desconforto.

A alimentação contra prisão de ventre deve se evitar frituras e alimentos industrializados. Devem-se comer regularmente frutas, como a ameixa seca, por exemplo. Uma breve receita com a ameixa seca pode ser eficaz para evitar a prisão de ventre. Deposite ameixas (três) secas de molho em um copo de água à noite. Logo pela manhã seguinte tanto as ameixas como essa água devem ser ingeridas em jejum. Repita o tratamento por alguns dias. A ameixa tem poder laxativo, por isso é indicada, mas como qualquer alimento, não deve ser consumido em excesso.
prisao3 300x225 Prisão de Ventre, Sintomas, Tratamento e Alimentação

Existem também iogurtes que auxiliam na regulagem da flora intestinal, entretanto os resultados variam de individuo para individuo, e secundário a uma boa alimentação, com inclusão de saladas verdes e alimentos ricos em fibras pode sim ser eficaz. O iogurte que têm a função de regular o intestino não faz milagres, será inútil a ingestão do mesmo sem o acompanhamento de uma boa dieta.

Inclua alimentos saudáveis e ricos em fibras na sua alimentação, alem de ingestão de líquidos, chás e outros alimentos benéficos a saúde, faça atividade física regularmente e esteja prevenido a vontade natural do seu organismo de evacuar. Essas são as melhores maneiras de prevenir e combater a prisão de ventre.
prisao4 Prisão de Ventre, Sintomas, Tratamento e Alimentação

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.