Menu

Moda

Atualizado em 8 de julho de 2010, às 21:58 por Redacao
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Maiôs para Hidroginástica – Modelos, Onde Comprar

447128 mulher come bolo chocolate  Comer rápido pode acarretar diabete tipo 2 O costume de comer rápido também está ligado a um maior índice de IMC (massa corporal) e a um menor nível de escolaridade.

Comer rápido pode elevar em até 2,5 vezes a probabilidade de uma pessoa desenvolver diabetes tipo 2. É o que revela um estudo divulgado no início desta semana, no Congresso Internacional de Endocrinologia, em Florença na Itália. A celeridade com que um indivíduo consome os alimentos já foi relacionada a outros problemas de saúde, como a obesidade, no entanto, esta é  primeira vez que essa condição surge diretamente ligada ao desenvolvimento de uma doença.

Leia mais: Segundo estudo 5,6% da população brasileira possui diabetes

Para chegar nessa decorrência, os pesquisadores da Universidade Lituânia de Ciências da Saúde, entrevistaram 234 pessoas que haviam sido recém diagnosticadas com a diabetes com outros 468 participantes que não possuíam a doença. Todos foram submetidos a um questionário com perguntas sobre costumes alimentares, peso, medidas do corpo e condições de risco para diabetes. A celeridade com que eles comiam também foi verificada e, classificada em lenta, normal ou rápida.

Após incluírem outras condições associadas à diabetes, como exercícios físicos, histórico familiar e tabagismo os especialistas concluíram que aqueles que comiam mais rapidamente haviam 2,5 mais chance de contrair a doença do que aqueles que demoravam mais para comer. Além disso, também foi possível entender que, o costume de comer rápido está ligado a um maior índice de IMC (massa corporal) e a um menor nível de escolaridade.

Leia também: Café descafeínado combate diabetes tipo 2

“A prevalência de diabetes tipo 2 está aumentando globalmente e pode se tornar uma pandemia mundial. A doença parece envolver uma interação entre fatores genéticos e ambientais. É importante identificar quais são os fatores de risco modificáveis”, diz Lina Radzeviciene, uma das autoras da pesquisa. A finalidade da equipe agora, é realizar novas análises que ajudem a compreender melhor como os costumes alimentares e estilo de vida contribuem para a diabetes.

RECEBA OS ARTIGOS VIA EMAIL