Bem Estar

Maconha: efeitos, consequências

O cigarro de nicotina causa males similares ao da maconha a longo prazo (Foto: Divulgação)

Há quem diga que a proibição da maconha tem mais a ver com motivações raciais, políticas, econômicas e morais, do que com relação a malefícios a saúde. Os árabes, mexicanos, negros e chineses usam com frequencia a erva no início do século XX e, segundo a teoria de pessoas favoráveis a maconha, a proibição foi determinada devido a popularidade do item em meio a essa parcela da população.

Recentemente a liberação do uso da droga no Brasil foi amplamente debatida, tendo como um dos defensores o ex-presidente da república Fernando Henrique Cardoso, que chegou a participar de um documentário sobre o assunto. Passeatas a favor de erva reuniram centenas de pessoas em capitais brasileiras, mas até o mento o uso da maconha, do mesmo modo como acontece com o cigarro de nicotina e com a bebida, não foi liberado.

No Brasil, existem grupos que apoiam a liberação da maconha, assim como é com o cigarro e o álcool (Foto: Divulgação)

O abuso de álcool causa maiores males à saúde do que o excesso do uso de maconha, e esse é um dos argumentos dos que defendem o uso da planta. Muitos estudos foram encomendados para atentar cientificamente as consequências da erva, que na Índia antiga era base de uma bebida acusada de causar demência. Os laudos realizados por equipes de estudiosos mostraram que o uso moderado da maconha não faz mal e que o uso prolongado da droga não leva a demência.

Em 1976, a Holanda tomou uma decisão histórica, liberando o uso do item desde que os usuários comprassem a droga em cafés autorizados por lei. Assim como a mudança de postura diante do problema o resultado foi surpreendente, registrando que no índice de usuários de drogas com efeitos mais impactantes, como a heroína. Ao contrário do que se pensava a quantidade de pessoas que usam maconha na Holanda é compatível com os outros países da Europa onde o produto é proibido.

Sob o efeito da maconha a pessoa tem a coordenação motora comprometida, além de seu raciocinio (Foto: Divulgação)

Estima-se que entre 6% e 12% dos usuários de maconha ficam dependentes da droga, o que é menor que os dados coletados em estudos realizados com relação a dependência de álcool e tabaco. O psiquiatra Dartiu Xavier, coordenador do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes da Escola Paulista de Medicina, acredita que a dependência da maconha tem como consequência determinante a pessoa que a usa. O pesquisador constatou em seus estudo que a maioria dos dependentes da erva são jovens, ansiosos e até depressivos.

Sob efeito da droga as pessoas ficam com a memória prejudicada, confusas com relação ao tempo, horas, passado e presente, a coordenação motora fica comprometida, os batimentos cardíacos aumenta, a percepção fica distorcida, os olhos ficam vermelhos, a boca fica seca e esse individuo tem dificuldade de tomar decisões. A longo prazo, as pessoas que fumam maconha estão suscetíveis a terem câncer, asma, bronquite, enfisema e demais problemas similares aos causados pelo uso de cigarro de tabaco.

Recomendado para você
Bem Estar

Festa de São João 2017 – Origem, Comidas Típicas, Simpatias

Bem Estar

Cama de Casal, escolha a cama ideal para você

Bem Estar

Decolar Passagens Aéreas Promocionais 2017

Bem Estar

Saiba como denunciar um caso de bullying

Comentários
  1. deyse disse:

    o que tenho a dizer é que meu filho perdeu 3 anos de faculdade por conta dessa droga lazarenta, ficou zem…sem vontade de ser alguem na vida..enfim nunca vi ninguem se dar bem com esssa droga e mais arrebenta com a familia..é isso meu desabafo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *