Menu

Saúde

Atualizado em 15 de fevereiro de 2013, às 11:35
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Leite materno: mitos e verdades

A amamentação é uma oportunidade única para formar um forte vínculo entre a mãe e a bebê, e, por isso, não deve ser prejudicada por inverdades sobre esse tema. Confira

O aleitamento materno é uma medida bastante estimulada pelo Ministério da Saúde, pois é capaz de trazer inúmeros benefícios à mãe e ao bebê, além de prevenir vários problemas de saúde. Infelizmente, esse assunto continua sendo cercado por inverdades, que prejudicam e muitas vezes acabam sendo responsáveis pela interrupção da amamentação. Esclareça várias dúvidas e conheça alguns mitos e verdades sobre o leite materno.

Saiba como fazer para amamentar gêmeos.

579966 A amamentação é uma oportunidade única de formar um forte vínculo entre mãe e bebê. Leite materno: mitos e verdadesA amamentação é uma oportunidade única de formar um forte vínculo entre mãe e bebê. (Foto: divulgação)

Mitos e verdades sobre o leite materno

  • Algumas mulheres têm leite fraco

Mito. Na verdade cada mãe produz seu leite especificamente voltado às necessidades de seu filho, de acordo com a quantidade habitual das mamadas e com sua idade. No início da amamentação o primeiro leite, chamado de colostro, possui um aspecto bastante fluído e coloração aquosa, o que pode dar a impressão de que o leite não é bom para amamentação. Entretanto isso não é verdade, uma vez que o colostro é rico em anticorpos maternos essenciais para garantir a saúde da criança;

  • Quanto mais estresse, menos leite é produzido

Verdade. Situações de muita tensão e estresse resultam numa descarga adrenérgica exagerada, responsável por inibir a produção de leite. Em situações mais extremas as mulheres precisam procurar auxílio do pediatra para complementar a alimentação do pequenino, entretanto, um bom banho relaxante, repouso e amamentação em local silencioso e livre de agitação é o suficiente para solucionar o problema;

579966 A mulher não precisa mudar de cardápio para produzir mais leite Leite materno: mitos e verdadesA mulher não precisa mudar de cardápio para produzir mais leite. (Foto: divulgação)
  • Enquanto a mulher amamentar ela não corre risco de engravidar novamente

Mito. Apesar da prolactina – o hormônio responsável pela produção de leite, inibir a ovulação, amamentar não é uma medida anticoncepcional segura. Além de seu efeito contra nova gestação ocorrer apenas nos casos em que a criança mama regularmente e com bastante frequência, algumas mulheres podem ovular ainda assim;

  • Para produzir um bom leite é preciso mudar o cardápio

Mito. Apesar de ser recomendado que a mulher mantenha um cardápio bastante variado e rico em alimentos como frutas, verduras, legumes e carnes magras, além de não abusar na dose de doces e derivados do chocolate, não é necessário adotar mudanças alimentares importantes;

  • O leite do começo da mamada é diferente ao do fim

Verdade. O leite do início da mamada é mais rico em proteínas e agentes imunológicos, que ajudam a garantir mais saúde para o bebê, enquanto que o leite do final é rico em gordura, ou seja, é excelente para proporcionar ganho de peso. Por isso é recomendado que as mulheres ofereçam um peito e deixe a criança mamar até senti-lo completamente vazio, oferecendo o outro seio apenas na próxima mamada.

Aprenda como escolher a poltrona de amamentação.

579966 O estresse pode diminuir a quantidade de leite produzido. Leite materno: mitos e verdadesO estresse pode diminuir a quantidade de leite produzido. (Foto: divulgação)

A amamentação é uma oportunidade única para formar um forte vínculo entre a mãe e bebê, e, por isso, não deve ser prejudicada por inverdades sobre esse tema. Conhecer alguns dos principais mitos e verdades sobre o leite materno é uma boa maneira de se manter informada e garantir mais saúde para o bebê.

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.