Menu

Saúde

Atualizado em 23 de setembro de 2012, às 9:47
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Frutas afrodisíacas, quais são

As frutas podem dar uma grande ajuda quando o assunto é reacender o desejo sexual. Conheça algumas frutas com ação afrodisíaca.

Muitas vezes, após nos alimentarmos de algum tipo de fruta, sentimos sensações diferentes sem entender de onde elas vêm. Por vezes, esses sentimentos surgem sem relação alguma, assim como desaparecem sem motivo. Algumas dessas sensações podem ocasionar aumento do desejo sexual. Tendo isso em vista, separamos alguns exemplos de frutas afrodisíacas que poderão ajudar a acender o “fogo da paixão”.

Conheça os alimentos que são afrodisíacos.

517709 Os morangos são considerados uma das maiores frutas afrodisíacas. Foto divulgação Frutas afrodisíacas, quais são Os morangos são considerados frutas afrodisíacas. (Foto: divulgação)

Alimentos afrodisíacos

Algumas frutas podem aguçar o desejo sexual e, por isso, são conhecidas como frutas afrodisíacas. Devido a seu benefício, elas podem são utilizadas de diversas maneiras, desde combinadas com algum tipo de bebida ou mesmo, apreciadas naturalmente. Em geral, quando elas são associadas a alguma dose de álcool, o efeito afrodisíaco pode ser intensificado. No entanto, a forma de consumo dependerá do gosto do casal.

 Conheça algumas frutas afrodisíacas

São diversos os exemplos que podemos citar de frutas que são afrodisíacas. Para que você conheça algumas, separamos alguns exemplos que poderão tornar sua noite inesquecível!

  • Morango – devido a sua cor e textura, é considerado uma das frutas mais afrodisíacas;
  • Cerejas – são muito sedutoras, pois podem fazer parte das preliminares, por estimular o tato e o paladar;
  • Acerola – possui um alto poder e controle sexual;
  • Melancia – auxilia no estimulo de muitas sensações sexuais;
  • Maçãs – ela tem um forte poder afrodisíaco por ser associada ao Éden, ou seja, à conotação de um furto proibido;
  • Uvas, peras, pêssegos e tâmaras – todas essas frutas são ricas em boro mineral que é responsável em elevar os níveis sanguíneos e os hormônios sexuais tanto femininos, quanto masculinos;

    517709 As frutas afrodisíacas podem ser consumidas naturalmente ou assocadas a alguma bebida alcoólica. Foto divulgação Frutas afrodisíacas, quais são As frutas afrodisíacas podem ser consumidas naturalmente ou assocadas a alguma bebida alcoólica. (Foto: divulgação)
  • Figo – essa fruta tem uma imensa representação afrodisíaca pelos gregos, pois quando partido, eles o consideram um alimento erótico. Além disso, ele estimula o processo digestivo e alivia o sistema nervoso;
  • Laranja, kiwi, assim como outras frutas ricas em vitamina C colaboram no combate ao cansaço e ainda garantem espermas ágeis, auxiliam a circulação sanguínea, fornecendo uma boa irrigação para aos órgãos sexuais;
  • Banana – por ser uma fruta rica em potássio, ela contribui com a transmissão dos impulsos nervosos e para as contrações musculares;
  • Abacate – é um ótimo estimulante sexual por ser rico em vitamina D e E. Além disso, pelo seu conteúdo cheio de gordura fornece muita energia;
  • Ameixa – além de simbolizar o órgão feminino, possui alto valor energético;
  • Abacaxi – essa fruta é rica em vitamina C, sendo utilizada para complementar o tratamento da impotência sexual.

    517709 As uvas elevam os hormônios tanto masculinos quanto femininos. Foto divulgação Frutas afrodisíacas, quais são As uvas elevam os hormônios tanto masculinos, quanto femininos. (Foto: divulgação)

O ser humano está sempre em busca de novas sensações. Uma das melhores maneiras de despertar as boas emoções é através do consumo de alimentos. Em especial, as frutas. Após conhecer alguns exemplos de frutas afrodisíacas, basta escolher a que mais agrada o seu paladar e aguardar pelos resultados extremamente satisfatórios.

Saiba quais são as bebidas alcoólicas afrodisíacas.

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.