Menu

Criança

Atualizado em 11 de novembro de 2011, às 7:00
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Dicas para melhorar a educação da criança

Se antigamente era feita na base da palmatória, hoje em dia, a educação dos filhos baseia-se no saber conversar.

Antigamente, a educação infantil era resolvida no castigo, no ajoelhar a criança no milho e com a palmatória, em que pais e professores batiam nos pequenos. Graças aos estudos e pesquisas, chegou-se à conclusão, que esses métodos só deixavam marcas profundas e não resolviam nada. Hoje em dia, o que é valorizado é exatamente o contrário: a razão e a emoção é que mandam na forma de conduzir tudo.

Como educar os filhos

Através de boas conversas, é possível resolver questões que antes eram tratadas na base da ignorância. Por exemplo, as crianças eram castigadas, caso não soubessem a tabuada. A escola era o verdadeiro circo dos horrores. Atualmente, isso pode ser resolvido através do ensino, feito com muita racionalidade e claro, acima de tudo, carinho. O foco é o que a meninada sente e percebe.

313390 pais e filhos Dicas para melhorar a educação da criança

Educação dos filhos X liberdade

Mas e quanto à liberdade dada aos filhos? Não gritar e nem bater significa que tudo está liberado? É claro que não. O fato de não usar a força nas palavras e nem nos braços, não quer dizer que a educação está sendo deixada de lado, ela, simplesmente, está com uma outra forma: a do diálogo. Dar liberdade aos filhos é exatamente saber mostrar a eles os limites que devem ser respeitados. Por exemplo, combinar com a criança os horários de dormir, de fazer o dever de casa e de brincar, pode ser um bom caminho para obedecer as fronteiras entre a ordem e a desordem. Os pais devem ser firmes, porém, não grosseiros. Palavras impostas, sem mudar o volume da voz, são suficientes para os pequenos entenderem as coisas.

Um outro exemplo, muito típico, de liberdade excessiva: crianças que fazem pirraça não querendo almoçar. Como colocar aí uma ordem? Simples: tire a comida dela e dê somente na hora da próxima refeição. É duro, isso pode até machucar o coração dos pais, mas, eles precisam saber que a criança tem que ter limites e obedecer a certos aspectos. Entretanto, se a mãe tirar o prato e dali a meia hora der um biscoito de chocolate, a leitura que o pequeno vai fazer disso é “Posso fazer pirraça, pois vou comer o que realmente quero”.

É óbvio que os limites devem ser dados dentro da realidade de cada filho. Não tem como ensinar a uma criança de três anos, algo que somente a de sete já é capaz de compreender. Os pais, nesse caso, devem, também, fazer o trabalho de entrar no mundo dos seus filhos, para tentar entender o que se passa por lá e qual a melhor maneira de dar uma excelente educação nesse sentido.